sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

The Kiss Goodbye

Then that’s all
You’re leaving again
Then that’s all
You’re saying goodbye again

And all I want is to see you coming
Coming to me
And all I want is to be by your side
Once again


Tell me, tell me the truth
Say it,
Say I’m not in your root
But please stay for a while
And hear what comes form my heart


Then that’s all
I’m crying again
Then that’s all
I’m trying to say that again

That all I want is your warmth
Holding me
And all I want is to be with you
Once again


Tell me, tell me the truth
Say it
Say I’m not in your root,
But please, stay for a while
And hear the sound of your heart

Tell me, tell me the truth
Say it
I know I’m not in your root,
But please, don’t waste this while
I’ve heard the sound of my heart.


Then that’s all…
I’ve heard the sound of my heart
That’s all
I’ve made up my mind
Then that’s all…
You’re leaving again
I’ll say it, say it
Just kiss me goodbye.





Jejels, 23/12/2008.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Som Silencioso

Aqui se dissolve
Um som azul
Aqui...
Sombras vagam e escutam essa voz
Silencioso
Ouça o som
Silencioso

Ah...
Alma da noite
Esse escuro
Os fantasmas, a voz
Nunca fique a sós...
Essa voz...

Siga o som...

Aqui me envolve
Estrela azul
Aqui...
O escuro me carrega em suas mãos
Misterioso
Há um anjo
Misterioso


O anoitecer
Adormece
Impossível esquecer
Aquele silêncio

Som azul,
Os fantasmas
Virão.

Encruzilhada,
Um anjo.
Encruzilhada
Encruzilhada,
Um anjo...

Noite...

Escute, há uma voz
O som azul,
Os fantasmas
Virão
Siga o som
Das sombras na escuridão.



Jejels, 22/12/2008.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Poemando com T

Triste, trépida trova
O trêmulo tormento
De um trovador titilante.

Que não mais dorme
Paralizado pela tocata
Dedilhando sua alaúde
Pensando em sua amada.

Tereza Teixeira
Tecia a tanga
Com tamis tingida
E talhas de talismãs.

Enquanto todos dormiam,
Tamino escrevia
Sua terna trova
Inspirado pela lua que tangeava.

Trouxe então a terra
E a ternura
De uma trovoada
Toda torta...



Jejels e Gus, 03/10/2007.

Máscaras

Eclipse;
O Sol se torna abstruso
A propagação de seus raios
Não emite a mesma luz
O brilho se torna factício
E o escuro nos conduz.

A ausência da visão
Nos leva a pensar.
Passamos a ver com o coração,
Absortos vamos nos paralisar
Você se conhece?
Essa sou eu
E nossa verdadeira forma
Adormece nesse hipogeu.

Até nossa aparência mente
E a ecolalia que continua
Esconde o que realmente
Queremos expressar;
Será que você entende
Que não quero mais me ocultar?

Mas mesmo que quiséssemos,
Esse enigma edaz
Faria com que nos enganássemos
Cada vez mais e mais,
Pois ele se adapta a nós
E ao nosso efêmero ser
Porém, quando ficarmos a sós
Não poderemos mais nos esconder.



Jejels, 03/10/2007.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

The point of no return

PHANTOM
You have come here,
In pursuit of your deepest urge,
In pursuit of that wish which till now
has been silent...
silent...

I have brought you,
That your passions may fuse and merge,
In your mind I've already succumbed to me
Dropped all defences
Completely succumbed to me
Now you are here with me
No seconds thoughts
You've decided...
decided...

Past the point of no return
No backward glances
Our games of make belive
are at an end
Past all thought of "if" or "when"
no use resisting
Abandon thought,
And let the dream descend
What raging fire shall flood the soul?
What rich desire unlocks its door?
What sweet seduction lies before us?
Past the point of no return,
The final threshold,
What warm unspoken secrets will we learn?
Beyond the point of no return

CHRISTINE
You have brought me
To that moment where words run dry
To that moment where speech disappears
into silence...
silence...

I have come here,
Hardly knowing the reason why
In my mind I've already imagined our bodies
entwining defenceless and silent
And now I am here with you
No second thoughts,
I've decided,
decided...

Past the point of no return
No going back now
Our passion-play has now, at last, begun
Past all thought of right or wrong
One final question:
How long should we two wait before we're one?
When will the blood begin to race?
The sleeping bud burst into bloom?
When will the flames, at last, consume us?

BOTH
Past the point of no return
the final threshold,
So stand and watch it burn

We've passed the point of no return...



Phantom of the Opera

Lifeless

Humility cover me
with the ashes of remembrance
I will learn from this pain

There is no darkness
without light to teach
us of ourselves

Humility cover me
with the ashes of remembrance
I will learn from this pain

Life to lifeless to eternity,
life to lifeless the cycle repeats

Death unfolds itself painfully
to unmask how fragile we are
Death unfolds itself painfully, teacher of sanity

The pain drags me down
I'll rebuild me

Humility cover me
with the ashes of remembrance
I will learn from this pain

Life to lifeless to eternity,
life to lifeless the cycle repeats.




30 seconds to mars.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Posso!

Não posso,
Não posso
Perder a calma.

Não posso,
Não posso
Me mexer.

Não posso
Ouvir nem ver,
Não posso
Sair daqui.

Não posso,
Mas quero...

Espero, almejo,
Desejo, persevero...

Eu quero,
Mas não posso...

Fim do poço?
Eu posso!



Jejels, 22/08/2008.

domingo, 23 de novembro de 2008

O surto

Como discutir a importância
De algo que está enterrado?
Algo que vai além da distância,
No meio de um ambiente calado
Mergulhado em minha ânsia...

Em sussurros posso ouvir
O mundo que vem colidir
E os destroços dos meus sonhos sem cores
Descansando num túmulo sem flores.

A dor que rasga a garganta
Com o grito que canta
E a melodia do fechar dos olhos.

O sangue nas lágrimas,
O pranto e as lástimas...

O corpo ao chão.




Jejels, 19/11/2008.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Último instante

Flores do outono
Com pétalas sedosas
E perfume de sonho,
Doce noite vaporosa.

A inocência das flores
Morre no meu sacrifício,
Nas amargas cores venenosas
Que se dilúem no abismo.

Os lírios de plástico
Ao glacial vento cortante
E um frio de mármore estático
Que congela o último instante.

Cores de sonho
Na estrela formosa
E o perfume sem dono;
Na estranha noite tenebrosa
Me desencontro.

Luz que converge
Do astro que rege,
Do sangue que escorre,
Do que não se esquece...

Os lírios de plástico
Ao glacial vento cortante
E um frio de mármore estático,
Sorriso torto e apático
De lírios de plástico
Congelados, distantes
No último instante.



Jejels, 20/11/2008.

domingo, 9 de novembro de 2008

Solitude

How many times have you told me you love her
As many times as I've wanted to tell you the truth
How long have I stood here beside you
I live through you
You looked through me

Ooh, Solitude,
Still with me is only you
Ooh, Solitude,
I can't stay away from you

How many times have I done this to myself?
How long will it take before I see?
When will this hole in my heart be mended?
Who now is left alone but me?

Ooh, Solitude,
Forever me and forever you
Ooh, Solitude,
Only you, only true

Everyone leave me stranded
Forgotten, abandoned, left behind
I can't stay here another night

Your secret admirer
Who could it be

Ooh, Can't you see
All along it was me
How can you be so blind
As to see right through me

And Ooh, Solitude,
Still with me is only you
Ooh, Solitude,
I can't stay away from you

Ooh, Solitude,
Forever me and forever you
Ooh, Solitude,
Only you, only true.




Evanescence.

sábado, 8 de novembro de 2008

My last breath

Hold on to me love
You know I can't stay long
All I wanted to say was I love you and I'm not afraid
Can you hear me?
Can you feel me in your arms?

Holding my last breath
Safe inside myself
Are all my thoughts of you
Sweet raptured light
It ends here tonight

I'll miss the winter
A world of fragile things
Look for me in the white forest
Hiding in a hollow tree (come find me)
I know you hear me
I can taste it in your tears

Holding my last breath
Safe inside myself
Are all my thoughts of you
Sweet raptured light
It ends here tonight

Closing your eyes to disappear
You pray your dreams will leave you here
But still you wake and know the truth
No one's thereSay goodnight
Don't be afraid
Calling me calling me as you fade to black(Say goodnight)

Holding my last breath(don't be afraid)
Safe inside myself(calling me calling me as you)
Are all my thoughts of you
Sweet raptured light it ends here tonight
Holding my last breath
Safe inside myself
Are all my thoughts of you
Sweet raptured light
It ends here tonight.



Evanescence.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Abyssus

Bela e traidora! Beijas e assassinas...
Quem te vê não tem forças que te oponha
Ama-te, e dorme no teu seio, e sonha,
E, quando acorda, acorda feito em ruínas...

Seduzes, e convidas, e fascinas,
Como o abismo que, pérfido, a medonha
Fauce apresenta flórida e risonha,
Tapetada de rosas e boninas.

O viajor, vendo as flores, fatigado
Foge o sol, e, deixando a estrada poenta,
Avança incauto... Súbito, esboroado,

Falta-lhe e solo aos pés: recua e corre,
Vacila e grita, luta e se ensangüenta,
E rola, e tomba, e se espedaça, e morre...



Olavo Bilac.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Endless Winter

Dark clouds are coming,
The wind is shaking your hair
While the drops of rain com to wash our souls
And the light is dying around us.

Bur there’s nothing to fear
Because I’m in your arms
And now I can hear
Your heartbeats, your words…
In this deep dark hole.

I can remember
The snow was falling down
And when the ghosts told me to surrender
I could hear a violin sound.

The cold path we chose
Became warm with your look,
With your kiss has grown a red rose
That warms the winter we lost long ago.

Bur there’s nothing to fear
Because I’m in your arms
And now I can hear
Your heartbeats, your words…
In this deep dark hole.

Promise me this will never end,
I feel this will never end,
I hope this will never end,
I wish this will never end…
And we’ll live forever
In our endless winter.




Jejels, 03/11/2008.

domingo, 2 de novembro de 2008

Um feixe de luz que entrou pela fresta das cortinas

O Sol... Uma enorme esfera de fogo... A fonte de energia. Talvez muitos pensem apenas isso desse grande astro. Talvez muitos nem parem um minuto de suas vidas para se certificar de que ele está lá.
Apesar de tudo, o Sol brilha sem parar, sem discriminação, sem vergonha de mostrar sua grandeza e sua beleza. A cada instante uma nova explosão ocorre em sua superfície, emitindo calor e luz. Mesmo não podendo ver o Sol de perto ou tocá-lo, sabemos que ele está lá, que é imenso... Sentimos o calor que ele lança a todas as direções, sentimos sua luz arder em nossos olhos nos permitindo a percepção do mundo por meio da visão.
O Sol está lá, todos os dias... Aconteça o que acontecer. Mesmo quando se põe, ele continua brilhante, pois é a Terra que gira, dando a todas as regiões do mundo a dádiva que é a vitalidade solar. O formato esférico do Sol pode nos fazer refletir sobre vários aspectos, como por exemplo, o ciclo da vida. A luz vai e vem, o dia nasce enchendo o céu de luz e morre nos mostrando que mesmo quando há escuridão, haverá uma luz, não com o mesmo brilho, mas de equivalente beleza, para nos guiar em nossa busca pelo universo, ou pelo menos, em nossa passagem por ele. A luz abre nossa mente para as belezas do universo... Quando o Sol ofusca nossos olhos podemos nos encantar com as cores, as formas definidas, o brilho e o calor. Por outro lado, o universo caminha em círculos, e, quando o Sol se põe, nos dá a chance de verificar o outro lado da vida. A noite chega silenciosa e se enche da melodia do vento. Quando a escuridão vai tomando conta do céu, se tornam visíveis as estrelas. Esses pequenos pontos brilhantes piscam, nos lembrando mais uma vez o vai e vem da luz, além de nos fazer perceber nossa existência como parte desse universo imensurável... Um universo no qual há vida... E onde a vida se expressa com toda a sua força.




Jejels, 01/11/2008.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Teu Olhar

O olhar,
O olhar
Abstrato
Num retrato
Que me faz sonhar.

O olhar,
O olhar
Tão distante
Um gigante
Desejo de te encontrar.

Nuvem brilhante
O sonho despertou
O irreal deslumbrante
Do universo do amor.

Palavras doces
Aos meus ouvidos
E lindos pontos brilhantes
No céu a piscar.

Perfume macio
Desvia minha mente
Sempre contente
Em ver você.

Um toque calmo
Mesmo à distância
É a minha esperança
Da tua presença.

O olhar,
Teu olhar
Um constante sentimento
Que te traz
Pra perto de mim.



Jejels, 18/10/2008.

sábado, 18 de outubro de 2008

Meu sonho

Feche os olhos
E apenas sonhe
Porque estarei aqui
Mesmo assim tão longe.

E vou cantar
Todas as noites
Vou esperar
A sombra do luar.

Me abrace
Em pensamento
Cante a sua parte
Do dueto de sofrimento.

O meu sonho é ver você
Chegando aqui
Me ouvindo dizer
Você é meu anjo...

Nunca vou te esquecer.
Delírio
É a sua ausência
Facínio...
A tua presença.

Me deixe de pé
E me torne invencível
Pois o silêncio é
A distância impercorrível.

Nunca vou te esquecer.
Apenas você vence
O medo e a insegurança
E que me convence...

Você, minha esperança.
Lágrimas imaturas
Molham a tristeza azulada
Tão mórbida que perfura
Essa alma apaixonada.

Me chame
E diga a verdade
Me dê a liberdade
De um enxame.

Envenene
Meu coração doente
No momento solene
Do furto imprudente.

Você roubou
Aquele beijo prateado
Que me deixou o gosto amargo
Quando você me deixou.

O meu sonho é ver você
Chegando aqui
Me ouvindo dizer
Você é meu anjo...
Nunca vou te esquecer.

O meu sonho é ver você
Chegando aqui
Me ouvindo dizer
Você é meu anjo...
Meu anjo.



Jejels, 03/01/2008.

domingo, 12 de outubro de 2008

Você

Você é você
E não dá pra dizer
E não consigo esquecer
O quanto eu te amo.

Você é você
E não quero esquecer

O que você quis dizer
Com seu beijo...


Vou dormir e sonhar
Com sua voz em minha mente
Uma voz sussurrando
Suavemente...

Você é você
Não há nada a fazer
A não ser me render
A esse sentimento.

Você é você
Que me faz crescer,
Que me ensinou a viver
Um sonho real.



Jejels, 12/10/2008.

Relógios

Nos ponteiros do meu relógio
Conto os segundos para te ver
Nas notas do meu adágio
Sinto o mundo desaparecer.

As engrenagens irregulares,
O tic-tac descompassado
Fazem meus pensamentos voarem pelos ares
Buscando o que agora é passado.

Você está atrasado de novo
Ou meu relógio está adiantado?
Nos segundos intermináveis envolvo
Meu sentimento exacerbado.

Espere um minuto,
Uma semana, um ano...
Eu esperaria a eternidade do mundo
Só para rever seu sorriso soberano.




Jejels, 07/10/2008.

sábado, 11 de outubro de 2008

Soluços

Melanina;
Negra melancolia
Na noite sombria
Que descansa meus olhos.

Inúteis sentimentos,
Traidores lamentos
De um descontentamento
No pranto a chorar.

Mente vazia,
Ilusão sem fantasia
E triste, jazia
Meu inútil coração.

Músculo que bombeia
O sangue em minha veia
Doente que devaneia
Pelo corpo febril.

Febre fatal,
Desespero desleal
Seria esse o final
De minha pálida existência?



Jejels, 09/10/2008.

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

O Corredor

Uma sombra percorria, sem rumo, um corredor estreito. A cada passo a emoção que a congelava se tornava maior, menos suportável e mais difícil de conter. O corredor em linha reta se desdobrara em um caminho sem volta. As nuvens negras que passavam sobre o teto variavam a luminosidade do lugar, que mudava como um pêndulo oscilando entre a penumbra e a completa escuridão. O barulho da chuva contínua enchia seus ouvidos como uma melodia monótona, vazia e fria. Não tinha mais noção do tempo e se perdia em sua caminhada fúnebre e sem sentido; o movimento já era automático, os pés andavam sem a consciência de sua dona. O frio interior era intenso, mas a temperatura física do local a fazia transpirar marcando seu percurso com o suor que não conseguia manter sua temperatura no nível natural. O calor era tão escaldante que chegava a derreter a tintura das paredes que escorria junto ao sangue que as impregnava. O fluído levava seus pensamentos para seu interior, para sua solidão, para o seu abandono.
A chuva aumentava elevando também o desespero que a possuía. Suas lágrimas rasgavam seus olhos inchados e vermelhos que, já acostumados com a falta de luz, buscavam o rosto que a atormentava e tirava sua calma, aquela imagem que permanecera presa em sua mente, degenerando sua sanidade. Entre seus dedos descansavam imóveis uma carta e uma rosa branca cujos espinhos furavam sua carne fazendo pingar algumas gotas de sangue que se perdiam com o suor que molhava o chão. O calor se tornava cada vez maior e fazia seu corpo arder em febre, Sentia sua pulsação enfraquecer a cada passo cansado que a conduzia ao infinito.
As palavras que enchiam a carta estavam gravadas em sua memória: Uma declaração, uma confissão e um pedido de desculpas. Enquanto tudo aquilo ecoava em sua cabeça, começava seu delírio. As gotas de chuva que explodiam no teto pareciam reproduzir as vozes daqueles que ela havia deixado. A que soava mais alta, porém, era a voz daquele a quem a carta era destinada. Aquele quem ela procurava... Seu surto explodia com sua voz, que gritava o nome do seu amor rasgando sua garganta rouca e seca. Foi quando ouviu um trovão e a chuva que se tornava tempestade.
A rosa e a carta caídas ao chão, a loucura tomando conta dela, um coração desesperados e gritos ensurdecedores. Um corpo ensangüentado descansava no ambiente macabro. Cortes em suas mãos e um coração morto que não conseguiu suportar tudo aquilo. Esperanças se diluindo no sangue ainda líquido, ainda quente, que transportara a ilusão que mantinha viva a alma que habitara o recém cadáver. Agora era só mais um fantasma que sublimaria das mentes que ainda o recordavam...
Uma sombra repousava intacta na parede suja de um corredor escuro que começava a receber a luz do aurora.





Jejels, 09/10/2008.

sábado, 4 de outubro de 2008

Dor

Queima meus olhos
Esse sentimento impiedoso.

Explode em meu peito
E sai em forma de lágrimas
Pedaços de minha alma
Dilacerada.

Tortura interminável que lava meus olhos
E faz sangrar meu coração...

Um corpo jogado ao chão
Se retorcendo com a agonia da dor
A agonia de não ter para onde ir...
A agonia do desamor.

Dor?
É o que sinto...
Inexplicável,
Insuportável,
Inacabável...



Jejels, 04/10/2008.

As cores da ilusão

A cor do teu beijo,
do teu sorriso,
e do teu coração,
estão longe de ganhar o calor,
que em meu coração,
dispara de emoção.

A emoção de querer ter-te ao meu lado,
de poder abraçar-te,
beijar-te,
amar-te,
e adorar-te.

Essa é a cor do meu amor,
do meu coração,
da minha emoção,
e da minha profunda ilusão.

A ilusão de beijar-te,
abraçar-te
e amar-te.

Tentando colorir,
vou tecendo o meu arco-íris...

Aquele que tem as cores da ilusão.




Rafael Daher, 23/09/2008.

sábado, 27 de setembro de 2008

A multidão

A multidão passava todos os dias
Os sons aumentavam
E crescia minha agonia
Com esses dias que passavam.

Um aglomerado de pessoas
Cada um com sua mente
A voz que não soa,
Que fica rouca vagarosamente.

Os olhos quebrados,
A boca rachada,
O coração despedaçado,
A alma desolada.

Por que mesmo com tanta gente
Estou sozinha por dentro
Sinto frio o ar quente
Congelando-me por dentro...

Alguém aí?
E minha voz reponde
Alguém aí?
O eco me responde.

Talvez eu tenha me iludido,
Talvez não seja nada do que eu pensei,
Mas talvez você tenha desaparecido
Quando eu mais precisei.

Eu tento dormir à noite
E tenho sonhos que me engolem,
Grito seu nome no escuro da noite
E minhas palavras morrem.

Parece que ninguém mais vai vir
E minhas mãos congelarão
No pior frio que se pode sentir...
O frio que congela o coração.

Solidão...
Em meio a esses rostos
Não há canção
Não há interação.

Não há ninguém aqui
Que me faça sentir algo além do vento
O vento cortante que congela minhas lágrimas
Esse vento do meu descontentamento.

Talvez eu esteja errada...
Mas quem pode julgar?
Queria não estar acordada,
Queria que isso não passasse do meu sonhar.

Alguém aí?
E minha voz se esconde
Alguém aí?
E uma lágrima responde.




Jejels, 27/09/2008.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Chastity e o Anjo da Noite

Casada com o mistério
De algum dia me unir à majestade da noite
Com suas asas e áurea puras
E os olhos nos quais me perco todos os dias...
Os cabelos que se misturam com a escuridão da sua ausência
Me deixando a esperança de algum dia
Reencontrar os lábios que me mantêm viva.
Tão ocultos na noite como o sangue que corre em minhas veias
Que circula, pulsando
Contrariando o veneno da solidão
Que bate nas portas do meu coração
E aperta-o cada vez que vais embora
Fazendo com que esse mesmo sangue
Rasgue meus olhos com minhas lágrimas,
Sangue da minha alma
Que se torna incompleta sem você.


Porém, o anjo da noite voa em direção ao abismo surreal
Já que também se perde em sonhos
E esperanças de novamente encontrar
Aquela que o fez ter asas para voar...
A qual o condenou a ser eternamente um anjo
E desejar trazer para ela a luz celeste.

Luz que apaga o brilho das estrelas
Perante seus olhos
E apenas teu sorriso basta
Para me sossegar à noite
Com sua imagem
O mais nítida possível
Mostrando sua alma com toda a transparência
Quantos as águas do rio de lágrimas que choro quando não estás aqui.

Mesmo tentando esconder suas asas
Já fui humano
E nada do que é humano desconheço
Há algo diferente em seus olhos
E hoje a chuva de prata veio confirmar
Que também és, de alguma forma
Anjo da noite.

Os segundos se tornam a distância impercorrível
Aumentando o abismo de silêncio entre nós
Envenenando nossas almas com a tristeza
Que vem com essa saudade
Me fazendo sonhar acordado
Com a alma que habita em você,
Com o que éramos no passado...
Que se torna pesadelo
Quando vem à minha mente
O grande momento
Em que, em minhas mãos, vagarosamente,
Me pede que realize seu antigo desejo...

“Feche meus olhos quando minha hora chegar”
Foi o que você fez
Sem parar de chorar
Olhando as marcas em meu pescoço
Que me faziam sangrar...
Não era tão ruim
Quanto não poder mais enxergar
Teu rosto preocupado
Com o que eu iria me tornar.

Corroídos pela chuva ácida
Que caía sem cessar,
Desmaiamos juntos
Sem as mãos soltar,
Mas quando os olhos abri
Não estavas mais lá,
Sumistes com o vento frio sem porvir.

Engolida pela escuridão
De tornar-me criatura noturna
Sem alma ou coração...
Sem a tua ternura...
Vagando por becos vazios
Procurando um dia encontrar
O sorriso de alguém
Que um dia jurou me amar.

Enquanto eu a procurava
Mal dormia,
Mal pensava,
Mal vivia
Imaginando o que teria acontecido
Não podia ser verdade,
Não podia ter morrido.

Manchando minhas mãos
Com o sangue que me mantinha
E meu próprio coração
Bombeando o sangue que eu não tinha...
Intoxicada pela sede
E pela condenação,
Presa na rede
Da mais eterna solidão.

Não a encontrava,
Não a sentia,
À noite eu rezava
Para que estivesse viva...
Enquanto fui enlouquecendo
E aos poucos enfraquecendo
Menos me conformava
Com o que estava acontecendo
Não acreditava...
Também estava morrendo.


Me sentia isolada,
Ladra de almas e corações,
Assassina alada
Silenciadora de canções...
Me tornei o sopro
Que destrói o corpo,
Que corrói a alma,
Que trucida a calma...

Meus olhos causavam desespero
Dos que neles ficavam presos
A morte sempre causou medo,
Ninguém conseguiu vencer esse medo...

Medo!
Medo de não encontrá-la,
Medo de jamais vê-la novamente,
Havia anos e eu não vira
Aquela que não saía de minha mente...

Estúpido anjo!
Não sirvo mais para nada...
A eternidade que esbanjo
É inútil, uma triste geada...

O frio não mais me afetava
Pois minha alma já estava congelada...
A cada noite mais mortos
Nas minhas veias envenenadas...

Queimava na minha boca
O gosto da ridícula eternidade,
Minha voz rouca
Calou minha sanidade...

Perdida...
Para sempre?
Amarga eternidade
Que me consumia...

Era um dia qualquer...
Buscava a felicidade
No rosto de qualquer pessoa
Que me devolvesse a sanidade.

Foi quando a encontrei...
A morte me convidava para passear
Num momento, hesitei
Muito tentado a aceitar...

A eternidade já não me valia
E depois de muito pensar
Decidi que eu deveria
A ela me juntar...

Noite fria, noite escura,
Quantas mais irei encontrar?
Queria apenas achar a cura...
O anjo que disse me amar...

O sangue ia faltando,
Minha sede aumentava
Continuei andando
E a visão matou minha alma.

Jogado ao chão um corpo
De alguém que não era minha vítima,
Eu conhecia aquele rosto
E não era dos sonhos que eu tinha...

Meu coração parou...

Ela gritou...

Congelei...

Me arrependi de tudo aquilo...
Não podia estar acontecendo!

Minhas mãos tremendo...

Meu coração desacelerando...

Meu corpo se contorcendo...

A eternidade se desmanchando...

Nossas almas renascendo.




Jejels, 24/09/2008.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Acorde!

Salve-me das noites eternas
Sem chuva ou vento,
Salve-me da janela,
Do canto do lameno,
Daquela alma singela
E de seu tormento.

Abra os olhos, eu estou aqui!
Abra os olhos e vamos fugir!

Não há tempo para proclamar
A minha vontade,
As ondas do mar,
A sua piedade
Ou a estrela a brilhar
Nessa cidade, então

Abra os olhos, eu estou aqui!
Abra os olhos e vamos fugir!

Seus olhos de diamante
Nessa escuridão,
A estrela cintilante
E seu dragão,
Uma luta agonizante
E uma triste canção...

Vamos fugir, por que voce chora?
A noite não acabou, por que a demora?
Abra os olhos, ainda há tempo!
Esse descontento...
Oh, eu não me contento!

Abra os olhos, eu estou aqui!
Abra os olhos, vamos fugir!

Fugir...
Sorrir...
Chorar...
Sonhar...

Vou adormecer também...



Jejels, 22/09/2008.

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

O caminho do vento

Borboletas brancas
Voam pelo jardim
Aos olhos de quem
Já não estará mais aqui.

Seguem com as pétalas
Das flores caídas ao chão
Com suas cores discretas
Colorindo a estação.

Voam suavemente
Enchendo os olhos dos atentos,
Levando embora as sementes,
A esperança e o contentamento.

Flutuam no ar os cabelos
De um homem desiludido
Controlando o desespero
De um coração sofrido.

Então o ar fica úmido
Molhado por suas lágrimas
Pensando no que é único
E na sua esperança ávida.

Então o vento cessou
E ele parou de chorar
Pois a ventania o lembrou
Da força que ele deveria carregar.

Respirou profundamente
Aspirando as cores das flores,
Abriu os olhos de repente
E apreciou o movimento das borboletas.

Tão brancas e numerosas,
Tão bonitas a voar,
Tão maravilhosas
Fazendo sua mente dançar.

E perdendo-se na melodia do vento
Começou a cantar
Agora compreendendo
E voltando a chorar.

Segurou nas mãos as pétalas coloridas
E apreciou suas cores
Sentindo as texturas macias
Esquecendo suas dores.

Soprou-as então
Deixando-as voar,
Libertou seu coração
Deixando sua mente flutuar.

Seguiu então o caminho
Da flor ao chão caída
Sentindo meu carinho,
Seguindo sua vida...



Jejels, 09/09/2008.

A ferida

A ferida pulsava
Ferozmente em minha alma
E quase rasgava
Minha pele e minha calma.

Fere meu rosto
E minha pele
A contra-gosto
A ferida me persegue.

Na minha ida ao céu
Uma estrela me queimou
Me fazendo cair
E abrindo a ferida que ficou.

Mas ainda não acabou,
Porque sei que vai acabar bem
E o coração que chorou
Vai sorrir também.

Tenho fé na v__ida
E declaro isso
De cabeça ergu__ida
Curando minha fe__ri__da...


Jejels, 09/09/2008.

domingo, 7 de setembro de 2008

O Chamado

Uma voz ecoa
Ao longe, distante;
Uma voz soa
Num tom inconstante.

Não é um timbre desconhecido,
Você sabe que não,
É apenas um mistério não resolvido
Acelerando seu coração.

Sussurrando seu nome
Ou gritando a plenos pulmões,
Um simples toque de telefone
Ou estranhas canções.

Uma carta desviada,
Um desencontro repentino,
A voz não se calava
E continuava insistindo...

Uma voz rouca
Cansada de tanto gritar,
O semblante de uma garota
Desgastada de te procurar...

Chamei pelo seu nome,
Enviei um milhão de cartas,
Disquei o número de seu telefone,
Compus inúmeras serenatas.

Mas o chamado não foi ouvido,
O grito foi abafado
E o tempo foi esquecido
Por aquele que era chamado.



Jejels, 06/09/2008.

sábado, 30 de agosto de 2008

Poemando com pudim...

Eu esperei muito tempo,
Os sonhos têm açúcar, açúcar é doce
E no fim vira tudo realidade
Todo o esforço queeu fiz...
Não deu para vencer,
Meu sonho açucarado,
Eu estou errado,
Estou acimado peso
Então agora tenho que descobrir o tesouro
E não há nada a dizer depois de PUDIM...
Foi quando ouvi a sirene dos bombeiros
E descobri que estava pegando fogo!!
...(nada a dizer)
Então saí gritando que estava cego...
- Huum... gosto bom... Pera! (Tô de boca cheia...) -
Mas no final das contas o avião deu problema
Então desci de pára-quedas para não chegar atrasada
No churrasco de pudim.




Meu pudim, meu pudim,
O suco vai pro rim,
Mas agora não dá mais...
Não dá mais!
Por que será que sonhamos?
Por que somos animais?
Quem criou o chocolate?
Há tantas perguntas açucaradas...
E logo hoje,
No MC Dia Feliz,
Estou triste de tanto comer pudim de arroz
E de beber leite de jacaré...
Tantas coisas com açúcar...
Eu sou preso,
Preso num sonho de pamonha.
Agora! Ainda tenho que encontrar o Curinga
Para matar o jiló assassino...
EU AMO PUDIM!
E foi nessa hora que me acertaram com uma kunai!
Mas quando eu ia começar a esquiar,
Meu celular tocou,
Então falei pro Btaman que eu estava em perigo.
Adeus, pudim!
E aqui vou eu cair num abismo de açúcar...




Jejels e Gabriel, 30/08/2008.

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Meus poemas nascem sangrando

Como pode descer dos céus um poema
assim mesmo como um raio?
Seria presente dos deuses
ou condenação sumária?
Viver permanentemente atado
aos desejos de outrem...
Não, senhores,
o poema não é um dom divino.
O poema é uma conquista.
Ele é fruto da imaginação
e da destreza do poeta.
O poema também não é o sentir,
antes ele é o sentido.
Mas quem quiser que sinta!
Eu transpiro enquanto escrevo.

Meus poemas nascem sangrando.




Gustavo Felicíssimo.
(Retirado de http://www.cronopios.com.br)

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

A dead heart can't feel anymore

Ouvi dizer que a eternidade não existe
E que tudo terá seu fim
Pergunte por que estou triste
E te direi o que sangra em mim.

Sem sua voz vou me partindo
Para que enfim seja exterminada
O veneno está agindo
Mas ainda sinto sua falta.

Dê o golpe final,
Me atire no abismo
Confie no surreal,
Nas lágrimas que não sinto...

Não há mais felicidade
E nada a perder
Dê o golpe final,
Já não sei mais viver.


Jejels, 2007.

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Inspiração

Inspiração
Foge da minha mente,
Refugia-se em meu coração
Que bate fortemente...
Palavras escapam rápidas
Especializaram-se em se esconder,
Não encontro mais saídas
Nem rimas para escrever.
O amor corre em minhas veias
Enchendo minha alma
Com a calma
Que te faz crescer
Em mim...



Jejels, 2007.

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Nuvens

Esperança,
Leve esperança
Um céu azul,
Um sonho de criança.

Um cavalo alado,
Um segredo a guardar,
Um sonho calado,
Um mundo a girar.

Alegria,
Doce alegria
Um mar tranqüilo,
Uma brilhante fantasia.

Um dragão suntuoso,
Um olhar iluminado,
Um coração curioso
Num mundo encantado.

Mistério,
Completo mistério
Luzes enchendo
O espaço aéreo.

Um chocolate quente,
Uma noite que dança,
Uma estrela cadente,
Um sonho da minha infância.


Jejels, 20/08/2008.

O amanhã

Algumas palavras
São eternas
Como a espera
Pelo amanhã;
Quem me dera
Que você viesse,
Que você dissesse
Algumas palavras...


Jejels, 20/08/2008.

sábado, 16 de agosto de 2008

The Escapist

Who`s there knocking at my window?
The Owl and the Dead Boy
This night whispers my name
All the dying children

Virgin snow beneath my feet
Painting the world in white
I tread the way and lose myself into a tale

Come hell or high water
My search will go on
Clayborn Voyage without an end

A nightingale in a golden cage
That`s me locked inside reality`s maze
Come someone make my heavy heart light
Come undone bring me back to life
It all starts with a lullaby

Journey homeward bound
A sound of a dolphin calling
Tearing off the mask of man
The Tower my sole guide
This is who I am
Escapist, paradise seeker
Farewell now time to fly
Out of sight, out of time, away from all lies

A nightingale in a golden cage
That`s me locked inside reality`s maze
Come someone make my heavy heart light
Come undone bring me back to life
It all starts with a lullaby.




The Escapist, Nightwish.

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Vou te encontrar, não sinto o ar.

Atualmente, as coisas não estão como antes. É claro que nada será como antes, mas as coisas poderiam estar melhores. O sol não quer mais brilhar, a lua só quer se apagar, ninguém mais vem me olhar. As pessoas parecem se afastar, eu não sei se as coisas vão mudar. Mudar. Mudança. Não da para ficar a chorar e lamentar a falta que você me faz. Você. Quem é você? Você ainda existe? Eu não sei se você sabe: eu não existo sem você. As coisas também parecem não funcionar, o amor não quer mais agradar e você, realmente, parece se afastar. Quero te encontrar. Dizer-te coisas que eu nem sei. Só quero te tocar e ao seu ouvido poder falar: “amor, não queira me deixar. Se você me deixar, o mar vai me tomar”. Mar, oh! O mar. Frio e quente; perigoso e gostoso; ardente e, como sempre, carente. Carente de mim, de me beijar, de me adorar, de me cuidar, de me abraçar e de me amar. Vem a onda e me leva no seu balanço: não me canso. Isso... Leva-me. Quero sentir o sal. Quero sentir a tua força. Falta pouco, o mar vai me levar e eu vou te encontrar. Mais uma onda, mais duas, mais três, mais dez. Falta-me um pouco da memória. Não escuto, apenas sinto. Quase que não penso. Água! Venha me banhar, entre em meu corpo que de tanto chorar, só quer descansar. Eu não sei nadar. Ar? Não sinto o ar. Vou te encontrar, não sinto o ar. Vou te encontrar. Eu te amo.


Rafael Daher, 06/08/2008.

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

A fotografia

E de repente, no meu quarto,
Um papel no chão
Reflete a luz do teto
E faz volar aquela sensação...

Quanto tempo se passou?
O que aconteceu?
O tempo se congelou
Com aquele sorriso seu.

A inocência,
Doce mente livre;
Olhos de porcelana pintada,
Lindos contos de fadas...

E no mar mergulhamos
E o tempo afundou.
Olhando para o céu
Se perdia Rafael.

E à noite víamos estrelas
Que jamais apagarão
O brilho que tanto facina
Os olhos morenos de Marina.

E no sorriso se calaram
As palavras que não dissemos,
A resposta do drama
Nas mão de Luciana.

Quanto tempo se passou?
Quantos sorrisos semeamos?
O papel me recordou
Quem esteve aqui tantos anos...

E agora os cachos dourados
Comendo... pudim,
Tagarelando na janela
Gabriel e Isabela.

Eram os inseparáveis
Corações pulsando juntos
Em caminhos inacreditáveis
E com sonhos maiores que o mundo.

Quanto tempo nos resta
Até nos tornarmos eternos?
Quebrar a reta,
Nosso falso trajeto no Universo...

Inesquecíveis
Os olhos morenos,
Os sorrisos irresistíveis,
O som sereno...

Tento o tempo
Aproveitar...
Tento o tempo
A me deixar continuar...

E de repente, no meu quarto,
Um papel em minhas mãos
Refletindo um olhar quieto,
Aquela doce sensação...



Jejels, 06/06/2008.
Pauta para a 60ª edição poemas do Bloínquês.

quarta-feira, 30 de julho de 2008

O sorriso

Nasce um novo dia
Hora de acordar, Sol
Seguir a rotina
De apagar o farol.

Chuva doce
Molha teus lábios
Na manhã que trouxe
Meu complexo imaginário.

E não resta nada
Além da luz matinal;
Não resta nada
Além do brilho espectral.

Em teus braços quero estar,
Perdida em seu sorriso
Vendo o Sol despertar
No nosso secreto paraíso.

Você ficou preso em meus olhos
Para todo o sempre
E nossa história
Ainda é uma semente.

Minha memória me leva
Aos tempos perdidos
E me carrega
Por tudo o que tínhamos dito.

Seu sorriso me recorda
A vida que sonhei um dia;
Quando o Sol acorda
Me invade essa alegria.

O sorriso contagiante
Que você carrega
Torna tudo emocionante
Nesse dia que começa.

Quando o Sol acordar
Será o começo
Do nosso jeito
De sonhar...


Jejels, 30/07/2008.

terça-feira, 29 de julho de 2008

Três segundos

O agora se desfaz
Com a eternidade
Rouba a paz
E a lógica da realidade.

Diga então que me ama
Você tem três segundos
Essa chance te chama...
Três segundos para mudar o mundo.

Esse ano o sol não veio
E levou o verão
Em três segundos me tornarei seu loureiro
E jamais segurarei sua mão.

Apareça agora de repente
Você tem três segundos
E estou inconsciente...
Três segundos para mudar o mundo.

Sua lira parou de tocar
E Pítia se calou
Em três segundos seu corvo vai voar
E você jamais saberá do meu amor.

Traga os raios de sol agora
Você tem três segundos
Está passando da hora...
Três segundos para mudar o mundo.


Jejels, 29/07/2008.

Indo para um abismo...

Soltando o riso,
Encontro em tua boca,
Um sorriso,
Que para meus olhos,
É o abismo da loucura,
Que só o riso pode encontrar.


Rafael Daher.

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Something

Something is in my mind
It’s making me wonder
Where in the world will I find
My broken dream?

Something I can’t spell,
Magic inside my eyes
Words cannot tell
My story

There’s something shining,
Calling my name
As it knew I was crying
Screaming and bleeding
But tonight I will find
Where my broken dream hides

Something is in my mind
It’s making me crazy
When in my life will I die
Like my broken dream?

Something I can’t spell,
Holding me tight
Words cannot tell
My pain

There’s something shining,
Calling my name
As it knew I was crying
Screaming and bleeding
But tonight I will find
Where my broken dream hides


Where can be my broken, broken dream?
Makes me bleed, pray, cry, scream…
Where in the world can I find my something…
My broken dream?

There’s something shining,
Calling my name
As it knew I was crying
Screaming and bleeding
But tonight I will find
Where my broken dream hides


There’s something coming,
Walking down the street,
Holding my heart in it’s hands…
Goodbye, my broken dream.



Jejels, 28/06/2008.

segunda-feira, 7 de julho de 2008

I'm Lost Without You

I swear that I can go on forever again
Please let me know that my one bad day will end
I will go down as your lover, your friend
Give me your lips and with one kiss we begin

Are you afraid of being alone
Cause I am, I'm lost without you
Are you afraid of leaving tonight
Cause I am, I'm lost without you

I'll leave my room open till sunrise for you
I'll keep my eyes patiently focused on you
Where are you now I can hear footsteps I'm dreaming
And if you will, keep me from waking to believe this

Are you afraid of being alone
Cause I am, I'm lost without you
Are you afraid of leaving tonight
Cause I am, I'm lost without you

Are you afraid of being alone
Cause I am, I'm lost without you
Are you afraid of leaving tonight
Cause I am, I'm lost without you

I'm lost without you
I'm lost without you



Blink 182.

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Your Angel

Sleeping in her sweet dreams,
Can't wake up anymore
Lost in her warm spring
Far away from the storm.

I could spend my lifetime
Singing to make her feel
That she was completely safe
Cause I would never let her weak.

In her sleep I lost my mind
Wishing all would be alright,
But the day was left behind
And then she oppened her eyes.

Burn me with your ligh rays
And fill me with your love
You will be cured today
When your angel come.

Stars were shining bright
When I saw him coming down
Flying with the moonlight
And standing by my side...


Jejels, 26/06/2008.

segunda-feira, 30 de junho de 2008

Complexo

Naufrágio,
Um mar de sentimentos
Num frágil
Universo de ressentimentos.

Rio
De lágrimas confusas
No sombrio
Das noites difusas.

Complexo
Esse processo
De repulsão
Sem nexo.

Liberdade
Para voar solta
Na prosperidade
De uma vida louca.

Confidência
No teu olhar lúcido
Faz residência
Na penumbra do crepúsculo.

Complexo
Esse processo
De sonhos
Sem nexo.

Idealização
De uma realidade estranha
Confraternização
Nas teias de uma aranha.

Mistério
Implícito em uma atitude
No etéreo
Som de um alaúde.

Complexo
Esse processo
De complicações
Sem nexo.



Jejels, 30/06/2008.

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Killed by your words

My mirror's full of blood
And my soul was took by the flood,
The flood of cold tears
That sprouted with my insecurity
And my strongest fears
That now became reality...

I saw my dreams falling apart.

You are gone
Now I'm all alone
But you never gave me
What I really needed:
Your love's an illusion
And my hopes are just useless.
If you never loved me,
Why keep wasting your time?

You will pay for your mistakes!
You killed me with your words
And your look into my eyes
Became a venom to my heart.

Step by step you go
Becoming a monster I dind't know
In your eyes I cannot find
The trust I thought was mine;
I'm trying to fix my broken wings
To fly away from here.
If you never cared about me,
Why keep living a lie?

You will pay for your mistakes!
You killed me with your words
And your look into my eyes
Beacme a venom to my heart.

You will pay for your mistakes!
You killed me with your sins
(I saw my dreams falling apart)
And your look into my eyes
Buried my love inside my mind.

I saw my dreams falling apart.



Jejels, 25/06/2008, the begining of Espectro.

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Love of Mine

I found my dream
Lost inside of me
Inside of my heart
It's still alive.

It's reality
Don't be shy
Show me carefully
What's in your mind.

Love of mine
Don't try to hide
Love of mine
You brought me to life.

All I ever wanted
Now became true
I never new it
'Til I found you.

Take my hand
My soft-spoken dream
Cause my perfect land
Was made for you and me...

You brought me to life,
So don't try to hide
Love of mine...


Jejels, 15/06/2008.

domingo, 15 de junho de 2008

Sentimentos (que não puderam ser traduzidos)

Reluzentes são seus cabelos
Dourados como os raios de sol
Cacheados
E jogados ao vento...

Seu rosto iluminado
Pelos holofotes brilhantes
Que destacam seus passos
E sua expressão radiante.

A música me leva ao infinito
Com a leveza dos seus passos
Me lembrando do que tínhamos vivido
E ficou enterrado no passado.

Passado de luz
Com a sua graciosidade
Que me fazia feliz...
Algo chamado amizade.

E apenas contemplando
Sua dança surreal;
Apenas apreciando
Seu movimento angelical.

O que nos tornamos?
Depois de tudo o que passamos
Não pode acabar assim,
Você já ficou gravada em mim.

E não importa quanto tempo passar,
Você será sempre a primeira bailarina;
Nada vai conseguir apagar
Esse brilho que me facina.

Me guarde então na sua memória,
Em um canto especial do seu coração;
Você me ajudou a construir minha história
E encheu minha imaginação.

Não há como expressar
A saudade que sinto,
Você me faz muita falta
E as estrelas estão sumindo...

Essas palavras não podem dizer
O que estou sentindo,
A presença que me fez crescer
Está a cada dia se diluindo...


Jejels, 14/06/2008.

Para a mais graciosa fada, a bailarina que mais me faz falta nesse mundo, uma verdadeira e grande amiga... Te amo.

quinta-feira, 12 de junho de 2008

12 de junho

Anjo da noite,
Meu sonho encantado,
Será para sempre
Meu caminho iluminado!

Amor...
Indescritível
Tua áurea luminosa,
Reação imprevisível,
Alma piedosa...

Olhar fixo de olhos firmes
Que me encantam a cada dia
Com um sorriso sublime
Que enche meus dias de alegria.

Em teus cabelos negros me perco
E entrelaço meus dedos,
Sonhando acordada desejo
Que você me ajude a vencer meus medos...

Se há um sorriso em meu rosto,
Foi você quem semeou
Com o doce gosto de um beijo
De amor.

Um sol aquece o dia lá fora,
Desperto do meu suave sono
Desejando você comigo agora...

Fica comigo mais um minuto
E faça meus olhos se fecharem
Nessa noite
De céu escuro;

Meu protetor,
Meu sonho proibido,
Meu salvador escondido...

Tu que me observas diariamente,
Encha meus olhos com tua bela alma,
Me cubra docilmente da tua eterna calma,
Invoque meu nome com tua voz serena
Para que eu ouça tua melodia plena...

Harmonia que enche minha cabeça
De mais sonhos estrelados
Fazendo com que eu não me esqueça
Dos seus olhos açucarados.

Minha esperança,
Minha silenciosa dor,
Minha confiança,
Meu eterno amor.



Jejels.