quinta-feira, 8 de maio de 2008

O Anoitecer

Escuro e sozinho
O silêncio noturno que me envolve
Nessa noite sem caminho
Em que o medo se dissolve...

Vozes mudas,
Estrelas,
Confidentes surdas...

Lua que brilha tão longe,
Serena e brilhante
Tão imune,
Tão sublime...
Tão ridícula em sua solidão.

Saia de mim, alma enferma,
Já não tenho tempo para essa depressão,
Para esses desenhos nas paredes
Dessa noite, cenário dos meus pesadelos até então.

Escuro e sozinho
O vazio dessa sensação sufocante
Nessa noite sem caminho
Com o coração tão distante...

Vozes mudas,
Ouçam,
Confidentes estúpidas...

Lua que grita em meus olhos,
Sem semblante
Tão inocente,
Tão atraente...
Tão irreal e sem coração.

Saia de mim, alma melancólica,
Já não tenho tempo para suas lástimas,
Para essas dores melódicas
Para esses pesadelos e todos os meus estigmas.

Vozes mudas,
Estrelas,
Ouçam...
Confidentes surdas,
Esta noite,
Confidentes estúpidas...
Tragam minha vida de volta!




Jejels, 08/05/2008.

Um comentário:

marina disse...

o jessica 5 dias sem postar neh tudo bem ve se arraga tempopro leitores do blog ue esperam anciosamente uma poesia :D
te amo minina