quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Poemando com T

Triste, trépida trova
O trêmulo tormento
De um trovador titilante.

Que não mais dorme
Paralizado pela tocata
Dedilhando sua alaúde
Pensando em sua amada.

Tereza Teixeira
Tecia a tanga
Com tamis tingida
E talhas de talismãs.

Enquanto todos dormiam,
Tamino escrevia
Sua terna trova
Inspirado pela lua que tangeava.

Trouxe então a terra
E a ternura
De uma trovoada
Toda torta...



Jejels e Gus, 03/10/2007.

Nenhum comentário: