quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Rendição


Entre uma parede e outra
Prendem-se os sonhos
Que se enchem de sombra
Antes de serem estilhaçados.
Tudo acontece tão rápido,
Num intervalo de uma lágrima e outra...


E eu poderia me contentar
Afinal, não resta nada a ser feito;
O mundo continuará a girar
Em seu rítmo perfeito.


Só resta a aceitação,
A rendição às correntes,
A morte do inconsciente
Presa em meu coração.





Jejels, 06/08/2009.

Nenhum comentário: