quarta-feira, 23 de setembro de 2009

O árabe

Olhos amendoados, redondos
E cabelos negros...
Serão gregos?

Pele corada, como o sol
Exibe um dourado que não descama...
Será africana?

Mãos talentosas,
Autoras de traços firmes e curvilínios...
Será egípcio?

O olhar misterioso,
Tímido e cativante
Combinado às mãos hábeis
Compõem aquele árabe.




Jejels, 23/09/2009.

sábado, 12 de setembro de 2009

Swim in silence

Meet me here beneath the burning skies
Where the ocean comes and takes us from all of our lies
You never said that you were coming back
I have waited although I have found the place you hide

What keeps you so far away?

We can swim in silence
You can pull me under
I will not come up for anyone
I can slowly sink and
Watch you as you leave
But I will drown until you care
I will drown until you care

I imagine what it must be like
To have everything you need and not be satisfied
Run the water until it burns
And you can’t see through the waves that crash into your prey

What keeps you so far away?

We can swim in silence
You can pull me under
I will not come up for anyone
I can slowly sink and
Watch you as you leave
But I will drown until you care

Going under, Going under

Getting close to what we cannot recognize
Floating face down in the lies
Here we are without a trace
But the lies we used to blameand you’re so far away
What keeps you so far away?

We can swim in silence
You can pull me under
I will not come up for anyone
I can slowly sink and
Watch you as you leave
But I will drown until you care
I will drown until you care.




Paramore.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Lendas Quileutes

Há milhares de anos antes da chegada dos colonizadores ao Novo Mundo, os Quileutes já viviam nas terras de James Island, ilha da First Beach, em La Push.Acredita-se que o contato com os europeus se deu no início do ano de 1700, porém, o primeiro contato oficial com os brancos foi datado do ano de 1855, quando os indígenas assinaram o Tratado de Olympia, no qual deveriam se mudar para Taholah e deixar suas terras livres.Foi somente em 1889, mesmo ano em que Washington se tornou um estado, que o presidente Benjamin Harrison os cedeu uma milha de terra em La Push, contando com 252 habitantes.De acordo com suas crenças antigas, eles foram transformados em lobos por um viajante.Por ser um povo originalmente espirituoso, eles acreditam que ao atingir a puberdade, os meninos da tribo poderiam sair em busca de seus poderes supernaturais.A sociedade Quileute foi gerada de “grupos de casas”. Cada casa tinha um chefe, os nobres e os plebeus. Desta forma, o parentesco e o sangue determinavam a estrutura do comando da tribo.Os Quileutes atualmente possuem sua própria Constituição e Leis Municipais, reconhecidas pela Secretaria do Interior, os estabelecendo como unidade política auto-governante nos Estados Unidos. As crianças da reserva são educadas na Escola Tribal Quileute, onde aprendem sobre todas as lendas e mitos de sua tribo, sua história, e também seu idioma de origem, ainda falado por seus anciãos. É uma língua complexa; uma das cinco línguas no mundo que não possuem sons nasais (sem m ou n), e uma das poucas que não é reconhecida para ser relacionada a qualquer outra. Os anciãos visaram a compilação de um dicionário e de textos instrucionais que são ensinados na escola.Os contos dos Quileutes são passados no começo do mundo, quando animais eram como seres humanos.Eles podiam falar, remar canoas, e viver em grandes casas.Os indíos Quileute da série Crepúsculo foram inspirados em uma tribo existente no oeste de Washington. Na série, alguns destes são Jacob Black, seu pai Billey, Paul, Jared, Quil, Embry, Harry Clewater, Leath e Seth Clewarter, entre outros.(Montagem mostrando os lobisomens Quileute de Crepúsculo)A tribo Quileute atualmente conta com uma população aproximada de 750 pessoas. Os descendentes Quileutes vivem na Reserva Indígena Quileute após a assinatura do Tratado do Rio Quinault de 1855, que mais tarde foi reautorizado como Tratado de Olímpia, em 1856. Situa-se numa parte a sudoeste do Condado de Clallam, em Washington, na foz do rio Quillayute, na costa do oceano Pacífico.Dentro da reserva, a população principal se concentra na pequena comunidade de La Push.um total de 371 membros da população reside na reserva, que tem uma área de 4.061 quilômetros quadrados. Os quileute tem seu próprio governo no interior dos Estados Unidos que é um município constituído por um conselho tribal.Por ser um povo originalmente espirituoso, eles acreditam que ao atingir a puberdade, os meninos da tribo poderiam sair em busca de seus poderes supernaturais.





Retirado de http://jujurochinha.blogspot.com.

domingo, 6 de setembro de 2009

Felicidade

A felicidade é tão simples.
É só estar do seu lado, sentir seu cheiro.
Ter seus lábios tão perto, senti-los através de um sorriso ou de um beijo, sentindo minha razão se esvaindo através dele
Sentir tua pele, seu toque,
e a sensação de que nada mais importa mas só sentir.
Seu rosto se enroscando no meu.
Perder o sentido lembrando desse momento, senti-lo como se estivesse ali, mesmo que não esteja.

Deitar a cabeça no teu ombro e sorrir,
e agradecer a Deus, numa prece secreta,
por ter me dado esse presente tão lindo.
Me enroscar no teu abraço e querer não ir embora,
não esperar o amanhã ou o depois,
só querer que aquilo não acabe nem que seja só por algumas horas.

Mesmo que essa ausência seja uma dor insuportável,
Poder lembrar do teu cheiro, do teu abraço, do teu sorriso,
do teu toque, do seu rosto se enroscando no meu rosto,
Isso já basta para que eu possa suportar o tédio que as horas se tornaram sem você.
Até que esses momentos voltem a se repetir.





Letícia de L. Viana, 13/11/2006 (retirado de http://www.webartigos.com).

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Oh star



Oh star fall down on me,
Let me make a wish upon you.
Hold on, let me think,
Think of what I'm wishing for.

Wait, don't go away.
Just not yet.
Cause I thought,
I had it.But I forget.

And I won't let you fall away,
From me.
You will never fade.
And I won't let you fall away.
From me.
You will never fade away from me.




And now I let my dreams consume me,
And tell me what to think.
But hold on,
Hold on.
What am I dreaming?

Wait, don't go away.
Just not yet.
Cause I thought,
That I had it.
But I forget.

And I won't let you fall away,
From me.
You will never fade away.
I won't let you fall away.
You will never fade away.

And I won't let you fall away.
You will never fade away.
And I won't let you fall away from me,
You will never...

Oh star fall down on me.








Paramore.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Noite alemã

E a noite desceu
Plena e inexorável,
Irremediável,
Inevitável.

Enfraqueceu os homens,
Destruiu nações
Essa noite do ontem
Que ecoa nos corações.

A noite desceu
E não houve quem a impedisse,
Ninguém disse
Que ela parasse -
Não houve quem resistisse.

Houve então a fuga
Dos inocentes,
Dos que sonhavam
Com a paz no presente.

E ao abrigo se dirigiram,
Distantes dos ventos frios do norte,
Acreditando na sorte
De um dia retornar ao lar.

Vieram então existir
Em terras tupiniquins
Onde o sol domina
Os florestais jardins.

Até que o dia amanheça
Eles viverão da crença,
Da esperança de um dia
Voltarem à sua terra querida.






Jejels, 01/09/2009.

Motivo

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
— não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
— mais nada.




Cecília Meireles.