quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

A magia do circo


- O circo chegou na cidade! Estou tão impolgada...

- Eu odeio o circo...

- Não pode ser! O circo é algo tão... mágico!

- Tão mágico quanto aqueles palhaços com cara de mongóis?

- Não seja bobo! Os palhaços são divertidos! Eles nos fazem rir e conseguem tirar a gente dessa rotina tediosa em que às vezes vivemos! Fazem com que esqueçamos nossos problemas e ainda semeiam sorrisos... nos fazem perceber a alegria nas coisas pequenas da vida.

- Eles puxam toda a sua alegria com aqueles seus sorrisos toscos e você fica sem nada além de tristeza e com a mesma tediosa rotina... ou pior ainda!

- Isso não é verdade! Isso só acontece porque você não abre o seu coração pra magia! O que o circo espalha pelas cidades é exatamente o oposto disso.

- Não abro mesmo o meu coração! Hmm... mas eu já abri antes e não deu muito certo, não, viu?

- Por que? O que aconteceu?

- Talvez se eu abrir a droga do meu coração de novo, eu te fale isso.

- Talvez tenha acontecido algo de que você não gostou e que tenha causado algum trauma... mas quem sabe se você se abrir comigo agora tudo possa melhorar?

- Quem sabe mais pra frente... por enquanto, não é uma coisa muito legal de se falar; os palhaços são muito idiotas, mas em compensação, os mágicos são até legais, eles não erram as mágicas.

- Então você não odeia de todo o circo? Que bom que algo faz você se sentir bem! Do que você mais gosta no mágico?

- Gosto de quando ele faz minha maldita irmã desaparecer!

- Mas você não tem jeito mesmo, hein? Pensei que seria algo bom, pelo menos... mas pra variar, seu coração está fechado de novo. Seria legal se você me contasse logo o que aconteceu.

- Eu já disse que agora NÃO.

- Okay... quando estiver disposto, é só avisar.

- Talvez... ano que vem!

- Credo. Desse jeito vai criar uma pedra dentro de você que vai te travar pelo resto da vida. Se eu fosse você, me livraria logo desse peso!

- Meu coração não é puro. Melhor não abrí-lo.

- Não se cobre demais... acho difícil alguém ter um coração completamente puro... cada um sabe do seu lado ruim.

- Bom, meu coração não é nem metade puro. Não foi você quem entrou dentro de um aeroporto e saiu fuzilando um monte de gente inocente... mesmo que tenha sido em um jogo!

- Ah, qual é? É um jogo! Chega de tanta conversa sem objetivo... conte-me logo o que te aflige!

- Tá bom, tá bom... eu falo.

- Diga!! Estou muito curiosa!

- Hmm... você quer saber a relação com o circo, ou com a minha vida?

- Na verdade, pelo que conversamos até agora, aposto que as duas coisas têm um ponto de interseção!

- Bom, quando eu era criança, um palhaço me chamou e quando eu cheguei lá ele começou a me expor em público. Então eu me estressei, (supostamente) fechei meu coração e abri um buraco nos dentes dele.

- Meu Deus! Entendi agora... mas não era só uma brincadeira de palhaço do espetáculo?

- Pra mim pareceu mais uma brincadeira de mau gosto... a outra coisa eu não vou contar agora.

- Por que não? Já está dando um grande passo contando esse incidente!

- Tá bom, vamos fazer o seguinte: hoje você fica quieta e vamos ao circo e talvez amanhã eu te conte!

- Combinado!




** Na volta do circo... **




- Hoje o circo estava lindo! Você não acha?

- Não, por que?

- Porque as pessoas estavam tão cheias de energia, tão alegres, tão... felizes!

- Não acho nada lindo. Não mais.

- Isso está me cheirando a encrencas do passado... você não gostaria de contar agora a outra história?

- Que olfato bom você tem! Mas parece que você é cega... ou é impressão minha?

- Se você parasse com tantas ironias seria mais agradável conversar com você!

- Tudo bem... tudo começa na primeira vez que fui ao circo. Uma menina falou comigo depois do incidente do palhaço. Ela foi compreensiva e ficamos amigos. Depois disso, sempre combinávamos de ir ao circo juntos... mas uma vez, um dos palhaços resolveu bancar o mágico e escolheu ela como assistente. A consequência disso foi que a mágica saiu de controle e acabou ocorrendo um acidente. Depois disso todos os momentos felizes terminaram naquela tragédia.

- Nossa... eu não sabia que era algo tão sério assim... como ela está agora?

- Espero que esteja se sentindo bem, já que depois daquele dia sempre vou visitá-la uma vez por mês no cemitério.

- ...

- Ainda sinto a falta dela...



** A magia do circo vai além de qualquer tristeza. Depois de abrir seu coração, o garoto pôde aceitar que tudo aquilo não passou de um acidente e que não havia nada intencional no que aconteceu. Hoje, quando vai ao circo, já consegue sentir a energia que flui dos personagens singulares e de seus números incríveis... pôde entender que a vida é como um espetáculo e que tudo vale a pena quando se vive intensamente... fazer com que nossa passagem não seja em vão depende unicamente de nós. Abra seu coração... e viva o dia de hoje como se fosse o último.**






Jejels e o Misterioso Invasor, 06/01/2010.

5 comentários:

marina disse...

odeio palhaçosDD:
mimimi

Luiz Paulo ¬¬¬ disse...

Jéh boa X Jéh má? huahuahua...brincadeira ....adorei baka....muito legal! ^^

JeJeLs disse...

AAAH! Comentários!
Muito obrigada, este blog estava começando a criar teias de aranha >.<'

Phillipe disse...

legal a história... mto boa a reflexão o.O

*esse misterioso invasor tá causando hein?* uahushauaah

Cogumelo Misterioso disse...

mamae, você e seu novo fotografo estao se dando bem ehin.... que legal... pena que ele que invadio seu blog... huahuahauahuahuahuaahu le meus coments eihn?