quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

O espírito da chuva

Pingos caem no chão
Produzindo uma bela sinfonia,
Harmoniosa polifonia
Que toca meu coração.


Em cada gota,
Sinto o peso de uma lágrima;
Em cada lágrima,
O peso de minha tristeza solta.


Minha alma lava-se,
Renova-se
Nessa água vinda do céu,
Nessa lembrança cor de mel.


Ouço com atenção, cada nota.
Espero, paciente, pela volta
Da água a lavar minha face,
Do sorriso que renasce.


E sinto, enfim,
As nuvens aqui...
Eu nelas,
Elas em mim.


Uma unidade.





Jejels, 17/02/2010.

Nenhum comentário: