terça-feira, 3 de agosto de 2010

Perdida

Andar inquieto,
Jamais parando em um único lugar,
Meu corpo sente-se rejeitado pelo espaço,
À procura de algo que está distante,
Cuja materialização é impedida pelo tempo.

O desconfortável desencontro:
A necessidade dessa presença
Modifica tudo ao meu redor
- e dentro de mim -,
Bagunça meus dias, abala meu peito
Incansável a buscar esse eixo,
Essa referência maior.

Andar desvairado,
Um ímpeto desesperado
De voltar a ter o que se tornou passado,
Aquilo que acabou ficando guardado
Longe de mim.




Jejels, 03/08/2010.

Nenhum comentário: