quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Amor platônico

Fui pega de surpresa,
Pensei que já havia ficado presa
Por tempo suficiente.

Não, eu estava enganada,
Pois o amor platônico capturou-me novamente
Em sua prisão idealizada.

Sonho eu com tais versos,
Aqueles versos que se fossem para mim,
Valeriam-me o universo.

Lembro de ti como um vento libertador,
A melhor companhia que poderia existir,
Aquele que consegue me fazer sorrir.

De que adianta olhar através da janela
E sonhar acordada horas a fio
Se não sou eu a sua bela?




Jejels, 04/11/2010.

Nenhum comentário: