segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Oxigênio

Subitamente submersa,
O perigo está sempre à espreita
Apenas aguardando o momento certo,
Ele está sempre por perto.

Por alguns segundos sozinha,
O desespero assume proporções absurdas,
Preciso subir para respirar,
Preciso de alguém para me ajudar.

Felizmente, não durou a eternidade que me pareceu,
Meus olhos reascenderam quando você apareceu
Para me trazer de volta mais uma vez,
Tirar do meu rosto a palidez.

E agora posso ver com clareza
O que antes estava escondido na sombra da dúvida
Combinando com caos das redondezas,
Contrastando com o fato de ainda termos vida.


E para viver, preciso continuar respirando,
Munindo-me com seu sorriso,
Com a imagem do seu rosto,
Com o som da sua voz sussurrando...

Ao voltar para a superfície,
Torna-se óbvio que tudo o que ainda tenho
E tudo o que quero agora,
É você,
Meu oxigênio.




Rebeca Ambers, 08/11/2010.

2 comentários:

Raquel disse...

Muito lindo!!!(nem tô doida né?, não ta de roxo, e tem nome no final)

JeJeLs disse...

Realmente... você estava meio maluca quando leu isso xD
Que bom que gostou ^^