segunda-feira, 31 de maio de 2010

Manhã agradável

Depois da noite de tormento,
Encontrei, enfim, conforto,
Consegui sorrir de novo,
Sentir-me leve como o vento.

Descobri que não estou sozinha,
Descobri que o que me falta é tempo,
Algum momento
Para me adaptar.




Jejels, 31/05/2010.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Linhas

A linha contorna um desenho,
Cria espaços cheios e vazios,
Ramifica-se em vários fios
Que divergem em várias direções.

Um novo mundo é criado
Nesse universo plano,
Nesse papel rabiscado
Por um inconsciente brando.




Jejels, 24/05/2010.

domingo, 23 de maio de 2010

From the bottom of my broken heart


"Never look back" we said
How was I to know I'd miss you so?
Loneliness up ahead, emptiness behind
Where do I go?

And you didn't hear
All my joy through my tears
All my hopes through my fears
Did you know still I miss you somehow?

From the bottom of my broken heart
There's just a thing or two I'd like you to know
You were my first love, you were my true love
From the first kisses to the very last rose
From the bottom of my broken heart
Even though time may find me somebody new
You were my real love, I never knew love
'Til there was you
From the bottom of my broken heart

"Baby," I said, "please stay.
Give our love a chance for one more day"
We could have worked things out
Taking time is what love's all about

But you put a dart
Through my dreams through my heart
And I'm back where I started again
Never thought it would end

You promised yourself

But to somebody else
And you made it so perfectly clear
Still I wish you were here

"Never look back" we said
How was I to know I'd miss you so?




Britney Spears.

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Novo olhar

A brisa suaviza o calor,
Sopra meus cabelos e pensamentos
Através do corredor imaginário
Formado pelas árvores.

Numa caminhada despreocupada,
Um curioso passeio,
Uma percepção diferente
Do espaço ao meu redor.

O ritmo das árvores guia-me
E conduz o meu olhar
(meu novo olhar)
Através desse espaço.

Percebo então os limites
Biológicos, físicos,
Sociais, temporais,
Sensoriais...

Uma força contrária que me faz perceber
O espaço como uma referência
Aos movimentos que posso fazer.





Jejels, 20/05/2010.

domingo, 16 de maio de 2010

Sorriso do amor

No brilho de uma estrela, eu mando
um alerta, um beijo em forma de flor
espero que o recebas com tal amor
e que olhes o céu de vez em quando.

Os anjos decerto zelam por teu dia
Deixam um recado na nuvem de prata
A Lua me acenou de forma tão grata
Trás promessa que me enche d'alegria.

Apaga lágrimas do tempo passado
Não sonhes com futuro por descobrir
Faz com que agora fiques a meu lado.

O teu olhar pousará no meu a sorrir
Tudo será esquecido, perdoado
Para que o sonho se possa cumprir!





Azoriana (retirado de http://silvarosamaria.blogs.sapo.pt/ )

sábado, 15 de maio de 2010

Suportando

A saudade
Nos invade,
Arde...

É difícil,
Mas devemos suportar.

Não poderei te ver,
Mas pode ter certeza
De que estarei aí com você.

E se o tempo estiver contra nós,
Não será tão ruim, afinal,
Pois sei que no final
Estaremos a sós.

Eu e você
E ninguém mais
Vai nos impedir de viver.




Jejels, 15/05/2010.

Realidade X Ficção

Às vezes você, tão encantador com seu olhar, me pergunta sobre coisas sem sentido... coisas que não passam de ficção, de uma vaga ideia que pairou sobre minha cabeça num momento de inspiração em que eu estava escrevendo. Simples ideias traduzidas em letras que podem causar grandes confusões se forem mal interpretadas. Mas, pensando bem, pra alguém que já é um sonho, deve fazer algum sentido...
Não sei como pude imaginar algo tão perfeito, mas o mais incrível é que você consegue ser convincente. Consigo acreditar que é real... devo mesmo estar ficando louca... muito, muito louca.
No fim das contas, gosto de ser assim. O parafuso que me falta acaba me fazendo mais feliz que nunca, pois, se eu não fosse tão sonhadora, jamais teria criado você em minha mente... e se não fosse tão louca, jamais acreditaria que você poderia se tornar realidade.
E cá estamos nós...
Bendita seja a noite em que sonhei com você.



Jejels, 15/05/2010.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Sorriso contagiante

Entre um olhar e um sorriso,
Encontrei-a.

E apesar de tudo o que a estava entorpecendo,
Apesar da dor
E de não saber o que estava acontecendo,
Um sorriso, ela esboçou.

Era uma criança a sorrir para mim...
Que faria eu, senão retribuir?

A verdade é que isso me contagiou...
Riso mais gostoso, não pude encontrar
E agora sinto falta do abraço dela...
Minha sorridente Isabela.





Jejels, 05/05/2010.

Te deixarei

Quando não mais puder
ao seu lado caminhar
Para não atrasar-lhe os passos

Quando só por suas mãos
eu conseguir vencer os obstáculos

Quando a visão me falhar
e de seus lábios saírem
a descrição do mundo

Te deixarei
ficarei a beira do caminho
mas não me sentirei só ou triste

Terei as lembranças de nossa vida
para me confortar
como um acalanto para a alma

Em minhas mãos ainda sentirei
o calor de seu corpo

Quando você no horizonte desaparecer
estarei sorrindo, com a certeza
de ter cumprido o meu dever

Te deixarei
não porque não me amas mais
mas porque eu te amo...





Almir Capthor ( retirado de http://www.amanhecercompoesia.com.br )

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Sun and moon


Kim:
You are sunlight and I, moon
Joined by the Gods of fortune
Midnight and high noon
Sharing the skyWe have been blessed, you and I


Chris:
You are here like a mystery
I'm from a world
That's so diff'rent from all that you are
How in the light of one night did we
Come so far?


Kim:
Outside day starts to dawn


Chris:
Your moon still floats on high


Kim:
The birds awake


Chris:
The stars shine too


Kim:
My hand still shakes


Chris:
I reach for you


Both:
And we meet in the sky!


Kim:
You are sunlight and, I moon
Joined here
Bright'ning the sky
With the flame
Of love


Both:
Made of
Sunlight
Moonlight.





Do musical "Miss Saigon".

Indecisa

Depois de tanto tempo, cheguei a essa encruzilhada. Não foi inesperado nem repentino, mas eu ainda não estava preparada para escolher que caminho seguir. Todos os meus atos conduziram-me até aqui e eu os pratiquei ciente disso. O único problema é a indecisão, já que eu sempre soube que o dia de fazer a escolha chegaria, mas como posso escolher entre dois amores? Como posso abrir mão de uma parte do meu coração? Estou dividida.

Um par de perfeitos olhos castanhos me encara, fazendo-me perder o fôlego. A expressão deles me faz sentir leve, quase voando. Redondos olhos castanhos a me fitar... quase me deixam num transe, mergulhada num campo de força que me puxa sempre para si, como se eu pudesse afundar e me encorporar a eles.

E opondo-se a essa força majestosa, um toque macio e morno me alcança, fazendo o tempo paralizar. Meus olhos focalizam agora os cabelos dourados que balançam com o vento, tão compridos e lisos... cada fio em uma dança graciosa.

Uma voz macia chama meu nome e isso funciona como um feitiço, pois é impossível dizer não a ela.

O outro chamado é pronunciado com um misto de tristeza e dúvida... ele me alcança em sentimento, pois não suporto perceber os tons menores de dor nessa sinfonia de sinos ao vento.

Não posso seguir os dois caminhos, mas também não posso escolher apenas um. Ambos fazem parte de mim. É no momento dessa descoberta, nesse instante esclarecedor, que compreendo minha falha. Tola indecisa, ingênua criança! Não posso escolher o que preciso e a agonia invade meu coração.

Lanço-lhes um último beijo e fecho os olhos... adeus.







Jejels, 03/05/2010.

domingo, 2 de maio de 2010

O ar

Sorvo o ar,
Sinto-o me preenchendo,
Meus pulmões a dilatar,
Minhas narinas mexendo.

O ar é úmido,
Puro e morno,
Leve e sóbrio.

Encanta-me seu perfume,
Doce como é,
Torna-me fluida e lume
Como reflexo da lua na maré.

E sinto-me brilhante,
Acesa...
O ar é contagiante
E carrega essa clareza.

A textura do ar modifica-se,
Transforma-se
E me faz recordar,
Sonhar...

E nesse momento,
Dependo dessa soma
De luz, textura,
Calor e aroma.




*Para alguém que me preenche de esperança, meu ar*
Jejels, 02/05/2010.

sábado, 1 de maio de 2010

Invisível

Deixei minhas mãos caírem sobre meu colo,
Pois já não tenho forças para continuar esperando,
Acenando para você.

Deixei minhas lágrimas rolarem em minha face,
Pois já não tenho forças para continuar escondendo,
Contendo meu sentimento.

Deixei meus soluços cortarem minha voz,
Pois já não tenho forças para continuar me silenciando,
Abafando o que penso.

Deixei meu corpo contorcer-se em dor,
Pois já não tenho forças para continuar me controlando,
Impedindo minha própria expressão.

Deixei tudo para trás agora,
Pois já não tenho forças para continuar...
Sinto-me mais invisível que nunca.



Jejels, 01/05/2010.

O solitário

Não me julgues.
Não tente entender-me.
Sou como o vento
Não tenho destino.
Apenas passo...
Aproveite a brisa.

Não me prendas,
Não me possuas.
Sou como água,
Se preso, evaporo.
Mate apenas tua sede.

Não tente guardar-me.
Não me aprisione.
Sou como as flores,
Colhido feneço.
Guarde-me o perfume.

Não me descreva.
Não me modifique.
Sou como um sonho,
Uma Ilusão.

Não me acompanhe,
Não tente seguir-me.
Sou como um cometa,
solitário.
Apenas admire-me...
Neste momento, então,
Serei Poeta
Teu Poeta.





Almir Bastos (retirado de http://www.amanhecercompoesia.com.br)