domingo, 31 de outubro de 2010

Nossa promessa

Em meio a carros destruídos,
Corações falidos
E escuridão completa,
Andamos em linha reta.

O vento frio da noite sopra em nossos rostos,
Seguro sua mão para não me perder,
Pois tudo pode acontecer
Vindo desses monstros.

Descobrimos que os mortos caminham,
Descobrimos que não podemos confiar em ninguém.

Mas no meio dessa loucura,
Mesmo com o controle destroçado
E com pesadelos nos rondando,
Tenho você ao meu lado.

E quando tudo parece perdido,
Procuro em minha memória o que você tinha dito,
A promessa se mantém:
"Vamos ficar bem."



Jejels, 31/10/2010.
~ De Rebeca para Augusto.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Nine crimes


Leave me out with the waste,
This is not what I do.
It's the wrong kind of place
To be thinking of you.
It's the wrong time,
For somebody new
It's a small crime,
And I've got no excuse.

Is that alright?
Give my gun away when it's loaded.
Is that alright?
If you don't shoot it, how am I supposed to hold it?
Is that alright?
Give my gun away when it's loaded
Is that alright with you?

Leave me out with the waste,
This is not what I do.
It's the wrong kind of place
To be cheating on you.
It's the wrong time,
She's pulling me through.
It's a small crime
And I've got no excuse.

Is that alright, yeah?
Give my gun away when it's loaded (is that alright?)
Is that alright, yeah?
If you don't shoot it, how am I supposed to hold it? (is that alright?)
Is that alright, yeah?
Give my gun away when it's loaded (is that alright?)
Is that alright?
Is that alright?
Is that alright with you?

No...



Damien Rice.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Final de outubro

Sinfonia de pingos
Colidindo uns com os outros,
Explodindo de encontro ao chão
Num dia de domingo.

Anima-me o frio,
O vento por meus cabelos,
Em minha face, sinto o beijo
Das gotas de chuva...

Coisas a esconder,
Outras, a entender...

Agora não importa tanto assim,
Por enquanto,
Posso conviver com essa nova parte de mim.



Jejels, 26/10/2010.

domingo, 24 de outubro de 2010

Dançando


Meus braços movimentam-se
Tentando imitar as ondas,
Com a leveza e a continuidade
De sua essência cíclica.

Minha cabeça move-se,
Ora marcando pontos infinitos,
Ora num ato de afirmar meus sentimentos
Ou os acordes da música.

A música é lenta,
Uma valsa tocada num piano
Com acordes suaves
E harmoniosos.

Minhas pernas dobram-se e esticam-se
Em diferentes alturas
Brincando com meus pés
Que me fazem crescer e diminuir.

E meu olhar quer mostrar ao mundo ao redor
Que a música e eu somos uma só,
Com meu corpo a fundir-se
Ao adágio encantador.



Jejels, 24/10/2010.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Pulsação


Na noite calma e serena que pousa no céu,
Posso ouvir novos sons
De um mundo mais tranquilo
Mesmo com todos os seus desarmônicos tons.

No cetim azul brilha o espelho prateado,
Espelho do coração dos apaixonados,
Em que vejo refletido o brilho de seus olhos.

E quando fecho os olhos,
A penumbra torna-se escuridão,
Trazendo a emoção
De acreditar que você está aqui.

Sua voz sussurrando em meus ouvidos,
Seus braços ao redor da minha cintura,
Seus dedos por entre meus cabelos...

Você está aqui, é verdade,
Pulsando em meu coração.




Jejels, 19/10/2010.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Pale


The world seems not the same
Though I know nothing has changed
It's all my state of mind
I can't leave it all behind
I have to stand up to be stronger.

I have to try
To break free from the thoughts in my mind
Use the time that I have, I can't say goodbye
Have to make it right
Have to fight
'Cause I know in the end it's wothwhile
That the pain that I feel slowly fades away
It will be alright.

I know I should realize
Time is precious, it is worth while
Despite how I feel inside
Have to trust it will be alright
Have to stand up to be stronger.

I have to try
To break free from the thoughts in my mind
Use the time that I have, I can't say goodbye
Have to make it right
Have to fight
'Cause I know in the end it's worthwhile
That the pain that I feel slowly fades away
It will be alright.

This night is too long
I have no strenght to go on
No more pain I'm floating away
Through the mist I see the face
Of an angel who calls my name
I remember you're the reason I have to stay.

I have to try
To break free from the thoughts in my mind
Use the time that I have, I can't say goodbye
Have to make it right
Have to fight
'Cause I know in the end it'd worthwhile
That the pain that I feel slowly fades away
It will be alright.



Within Temptation.

domingo, 17 de outubro de 2010

Seu nome

Finalmente me decidi
E vou agir a partir de hoje,
Vou mudar minha atitude
A começar pelas minha decisão
De não mais proferir seu nome...
Por mais que ele ecoe todos os dias
Em minha mente.


Jejels, 16/10/2010.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Confissão

Finalmente dei vozes aos sentimentos dentro de mim e falei que, na verdade, havia me apaixonado por ele.

Eu sabia que era estupidez, sabia que jamais deveria ter dito algo assim. Porque eu tinha certeza de que ele sentia o mesmo. Não sei o que deu em mim. Tenho um namorado maravilhoso que me ama incomensuravelmente. Se fosse preciso, sei que Josh daria a própria vida por mim... e no entanto, tinha acabado a dizer a Ray que estava apaixonada por ele. Não faz sentido! Desde que nos encontramos, fez-se uma grande desordem em meu coração, meus sentimentos começaram a tomar um rumo totalmente sem lógica. Principalmente porque eu amo Josh... será que é possível estar apaixonada por duas pessoas?

Eu havia tentado fugir disso. Afastei-me de Ray, parei de telefonar, cortei contato por alguns dias, mas chegou a um ponto insuportável. Fiquei inquieta até voltar a falar com ele. Era impossível me afastar e a essa altura, eu já tinha descoberto que estava apaixonada, que não conseguiria ficar longe dele novamente.

E lá estava eu, assumindo essa paixão... esse sentimento controverso, sem nexo, proibido que eu guardava em meu peito. Meus batimentos aceleraram, meu sangue latejava, minha cabeça rodava sem acreditar que eu realmente tinha dito aquilo. Tive vontade de desaparecer, toda a coragem que eu tinha reunido para fazer a confissão havia se esvaído e foi substituída por um silêncio pesado enquanto ele me olhava.

Sua expressão dizia que ele também não estava acreditando no que tinha ouvido e seus olhos me encaravam com uma expressão de descrença que me deixou mais desnorteada ainda. Ele não disse nada, apenas continuou me observando por longos minutos, como que processando as palavras, letra por letra.

O tempo parecia arrastar-se e meu desespero só aumentava. Pensei que sua reação seria previsível, mas agora estava tudo fora de controle, qualquer coisa poderia acontecer.

Pensei em Josh, no quão desapontado ele se sentiria ouvindo isso. Pensei nos momentos que passamos juntos, amaldiçoei-me por estar arriscando perder tudo. Pensei em como contar a ele e no quão egoísta eu estava sendo fazendo aquilo...

Foi quando Ray segurou meus ombros, aproximou-se de mim, fechou os olhos e não consegui pensar em mais nada.




Jejels, 15/10/2010.

Pauta para a 15ª edição do projeto In Verbis.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Estou viva


Minhas mãos procuram você; meus braços estão abertos para você. Sinto-o nas pontas de meus dedos e minha língua dança atrás de meus lábios por você. Esse fogo vai subindo pelo meu ser e queimando, não estou acostumada com isso.


- Estou viva, estou viva. - repito a mim mesma.



Consigo senti-lo à minha volta, engrossando o ar que respiro, segurando o que sinto e saboreando esse coração que está se curando.


Minhas mãos flutuam acima de mim.

- Eu te amo. - você sussurra ao meu ouvido e eu começo a desmaiar em direção ao nosso lugar secreto.

A música me faz balançar. Os anjos cantando dizem que estão a sós com você e eu estou só. E então choro, pois, na luz branca, eu vejo você.


- Estou viva. - digo a você.

- Pegue minha mão. Eu a dou pra você. Agora você me deve tudo o que eu sou. Você disse que nunca me deixaria e me deixou. Mas ainda acredito em você.




Reencontro

A sensação de exclusão cicatriza aos poucos. Consigo então sentir o ar fresco acariciando minha face, brincando com meus cabelos... e finalmente sinto vontade de sorrir novamente. Um sorriso que há muito, perdera-se por entre caminhos de misantropia e frustrações. Sinto o retorno do ruído de meu riso, sua passagem por comandos nervosos estimulados pela maravilhosa sensação de bem-estar comigo mesma. Sua tradução em sons pelas minhas cordas vocais, entoadas em meu timbre trazem o reconhecimento da satisfação que sinto agora. Reconhecimento: a alegre sensação de dever cumprido faz emergirem gargalhadas. Boba alegre? Maluca? Pode me chamar do que quiser, pois, agora, nada nem ninguém vai estragar esse reencontro. Corro, pulo, grito, deixo que meu corpo manifeste-se numa dança espontânea. Que se exploda o mundo à minha volta e seus problemas! Encontrei alguém que eu amo e que pode consertar o que quer que esteja de errado em minha vida: eu mesma.



Jejels, 14/10/2010.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Imprevistos


Penso a cada dia,
Idealizando a manhã agradável,
A tarde esplendorosa
E a noite inesquecível.

Penso no que fazer,
Nas vistas,
Nos cheiros,
Nas texturas.

Imagino cada detalhe,
Cada gesto,
Cada respiração,

Mas são frágeis
E quebram-se a um simples toque
Como asas de borboleta,
Folhas secas ao vento.





Jejels, 13/10/2010.

sábado, 9 de outubro de 2010

Sons

Palavras garantem a ruptura do silêncio,
Palavras ditas a mais de um milênio
Por outras pessoas,
Por outras bocas.

Milhares de vozes entoam a canção,
Diferentes timbres e combinações de acordes
Fazendo com que eu acorde
E olhe através da janela.

Sons que percorrem meu corpo,
Uma sinfonia noturna
Em sintonia com a chuva,
Uma polifonia curva...

As frequencias fundem-se,
Afundam no tempo,
Imortalizam-se em meu peito
Até esvairem-se com o vento.

Como meus pensamentos.




Jejels, 09/10/2010.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Invisível

Não basto para você.
Minha amizade não basta para você.

A errônea ideia de que não havia problemas está se esvaindo
Juntamente com minha presença agora.

Não é assim que você quer,
Nunca foi.
Houve um desejo a mais desde o início,
Apenas ignorei e caminhei até esse precipício.

Agora, não me restam alternativas.
Você colocou as cartas na mesa,
Não há mais dúvidas.

Estarei sempre aqui,
Mesmo que você não enxergue...
E mesmo que mude de ideia,
Talvez não mais encontre...

Minhas presença
Em palavras,
Olhos,
Voz.




Jejels, 08/10/2010.

Meu jogo

Uma falsa imagem que todos formam de mim.
É isso o que as atrai, como polos opostos de um imã,
Como suicidas rumando ao fim.

Mergulham num mundo falso,
Encobertos por palavras venenosas,
Cercados por situações enganosas.

Coleciono-os.
Todos eles.
Alimento-me com o orgulho de tê-los em minhas mãos.

Não chego a usá-los,
Não é necessário,
Pois todos mantêm-se de boa vontade
Nessa ilusória imagem que criam da verdade.

Não, não seria eu a quem essa imagem remete.
Certamente projetam em mim o que sonharam um dia,
Tentam inserir em mim sua solene poesia.

Cegos por eles mesmos,
Recusam-se a enxergar, na rispidez, a verdade
E embarcam numa viajem sem rumo.

E eu, em minhas oscilações de temperamento,
Encontro neles uma fonte de auto-confiança,
Encontro meu ego, minha segurança.

Mas tornei-me prisioneira de meu orgulho,
Perdi-me em meu próprio jogo,
Queimei-me em meu próprio fogo.

Agora percebo que caí,
Passei dos limites, perdi o chão...
Prisioneira de uma paixão.



Jejels, 08/10/2010,

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Um


Fecho os olhos
E posso vê-lo adiante,
Um anjo radiante.

Seus olhos brilham
E parecem pedir,
Suplicar que os meus os acolham.

Não, você não precisa de permissão,
Iremos juntos,
Lado a lado, dadas as mãos.

Sem preocupações,
Sem problemas,
Tudo será tão simples...

O respirar é complexo,
Será simples como morrer,
Ver o resto do mundo desaparecer.

Será transparente
E só preciso de você pra isso.

Não preciso de tempo ou espaço,
Não preciso de ar ou de dar algum passo,
Pois não preciso nem do meu próprio corpo.

Minha essência está em você
E a sua em mim
Somos uma unidade.



Jejels, 06/10/2010.

domingo, 3 de outubro de 2010

Meu caminho

Há um caminho invisível,
Às vezes iluminado,
Às vezes em penumbra
Que percorro com uma certa frequência.

Um caminho que já conheço,
Poderia percorrê-lo em pensamento
A cada manhã,
A cada noite,
A cada momento que sentir ser preciso.

Há um caminho que me faz refletir,
Que me ajuda a me conhecer melhor
A medida que o percorro.

Há um caminho que me desliga do mundo,
Que me traz à introspecção,
Que acalma meu coração.

Há um caminho perfumado
Que põe no lugar meus pensamentos,
Que traz a inspiração
E desperta diversos sentimentos.

Há um caminho só meu
Que se inicia em meus pensamentos,
Prossegue com seu perfume,
Evolui até sua voz,
Expande em seu olhar
E termina em seus braços.




Jejels, 03/10/2010.

Sentença

Pingos de água caem do céu,
Dançam no ar levados pelo vento
Num sórdido lamento
Descendo o mausoléu.

As sombras vagam pela noite
Assombrando os precavidos,
Executando-lhes o açoite,
Rompendo-lhes os tecidos.

As correntes deixaram marcas
Em teus pulsos vermelhos
Que denunciam tua alma fraca
Suplicando de joelhos.

Esse elo jamais será rompido,
Essa é a minha lei:
Não adianta o quanto tu tenhas sofrido,
Jamais te libertarei.




Jejels, 03/10/2010.