domingo, 27 de fevereiro de 2011

Nunca o bastante

A noite cai mais uma vez, derramando sobre mim toda a sua escuridão. As estrelas parecem estar mais apagadas que nunca e o vento frio torna a atmosfera mais triste ainda. Não me resta mais nada a fazer, o que mais você poderia querer? Eu te dei tudo o que eu tinha.
Enquanto eu gritava por atenção, por um pouco do seu amor, você nem ao menos voltou os olhos para mim. Era apenas a minha voz rouca que você não conseguia ouvir. Eu estive sempre lá, ajoelhada aos seus pés, pronta para realizar qualquer uma de suas vontades, mas ao findar a noite, eu estava sozinha novamente com meu coração nas mãos, sangrando pelo amor que você nunca me deu.
E apenas agora consigo enxergar o quão tola eu fui durante todo esse tempo. Nunca bastou para você ver todo o meu sofrimento, o horror no qual você me colocou, à espera de algo que jamais existiu. Você apenas usou minha alma e meu corpo para satisfazer suas vontades, aquilo que você dizia serem necessidades. Você dizia que estava incompleto, mas não há mais nada em mim que você possa consumir. Minha paixão se foi, assim como toda a magia que outrora criei ao seu redor... uma fantasia que jamais poderia se tornar real.
Ainda resta em você algum resquício de humanidade? Tudo o que vejo é um poço de mentiras e egoísmo. Entreguei a você minha confiança, partilhei meus sonhos, acreditei em cada palavra que você disse, sacrifiquei minha vida para estar com você... mas nunca fui o bastante para você, para devorar sua avareza.
Esta noite não haverá mais sangue, não haverá mais lágrimas, pois nunca mais estarei com você. Estou pondo fim a todas as promessas eternas que agora percebo que sempre foram vazias, elas não vão mais me carregar até você. Eu finalmente me decidi e é assim que será a partir de agora: apenas você e sua sovinice.





Jejels, 27/02/2011.

Pauta para 58ª edição musical do Bloínquês.

Um comentário:

Vinicius Ferrari disse...

é muito legal quando leio algum texto onde a menina conta o que passou e decide nem que seja no final mudar de vida. Uma professora minha disse no início deste ano que quando notamos que as coisas não estão indo como deveriam, devemos refazer nossa estratégia, mudar as rotas, mudar de vida! Parabéns para sua personagem. Gostei muito do final. Você fugiu daquela água com açúcar de minha vida é um lixo. Gostei de verdade.