terça-feira, 26 de abril de 2011

Primeiro soneto

De raios de luz
Constrói-se um sorriso
Nos olhos nus,
De receio, despidos.

O calor da manhã
Emana da face,
Faz que a essência sã
A alma abrace.

O olhar acende,
Transborda, serelepe,
O castanho que prende.

E dança, por fim,
Move-se sem medo
Sob a luz carmim.




Jejels, 26/04/2011.

-Para M. Maramaldo.

Nenhum comentário: