sábado, 28 de maio de 2011

Sonhando







E de cansaço, sucumbi
Mergulhei nos lençóis,
Virei as costas para os sóis
E profundamente, dormi.

Imergi num transe completo,
Estado onírico,
Subconsciente desperto,
Pleno estado do eu-lírico.

E então sublimava o mundo
Com seus problemas e defeitos
E ganhava corpo, contudo,
Aquela imagem de efeito.

Uma imagem um pouco turva,
Ainda traços de minha memória
Que registrara a súbita curva
Que tomava minha história.

A lembrança, porém,
Remetia à concavidade positiva,
A um aspecto que vai além,
Aos encantos de uma alma criativa.

Então percebo, finalmente
Encontrando-o em sonho mais uma vez
Que meu coração sorridente
Alegra-se com a lembrança de sua tez,
Brinca com possibilidades surrealistas,
Idealiza a realização desse novo desejo,
Fantasiando a conquista
De seus lábios em um beijo.











Jejels, 28/05/2011.




Pauta para a 41ª edição poemas do Bloínquês.

5 comentários:

Emerson Aroeira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Emerson Aroeira disse...

Desde a imagem a turva até a conquista de um beijo, simplesmente perfeito.
O sonho profundo de uma realidade não existente, queria que fosse assim sempre.

Lara Vic. disse...

o poema está simplesmente perfeito. com ctz vai ganhar o primeiro lugar no BLQ, sem dúvida. O final também foi lindo *-*
beijos!

Aquela que não é perfeita disse...

PERFEITO *-*
ganhou uma fã ;D
rsrs'
Parabéns!
Muito bom mesmo *o*

Eduardo Santos disse...

Olá. Fui lendo, devagarinho, para melhor saborear, o sensível poema que se apresentou à minha mesa. Sonhos, desejos, possibilidades, fantasias, tudo conquistas irreais, mas que na linguagem poética assume muito de realista. Parabéns pelo espaço, também eu desejo voltar e espero fazê-lo para participar da sua companhia. Obrigado.