terça-feira, 11 de outubro de 2011

Tímida

Às vezes sonho com chuva,
Estou num jardim florido
E o céu nublado se curva
Sobre uma garota de vestido.

O céu se contorce no espaço
Entre ela e seu par,
Distância medida em um passo
Que ela não soube dar.

Não seriam as gotas em sua face
Nem o olhar dele, tão terno,
Não era falta de enlace,
Nenhum elemento externo.

A razão de seu estatismo
Era apenas timidez
O único empecilho
Que trocava o sim por um talvez.




Jejels, 11/10/2011.
Pauta para a 57ª edição poemas do Bloínquês.

Um comentário:

Lara Vic. disse...

Uau que poema lindo!!! Com certeza mereceu o primeiro lugar. Rmas tão delicadas que se encaixavam tão deliciosamente... Adorei!
Beeeijos!

recantodalara.blogspot.com