sábado, 30 de julho de 2011

Recepção calorosa

Chego, enfim,
De volta a minha amada cidade,
Recuperando-me do estopim
De minha tristeza e da saudade.

Esperava uma recepção calorosa,
Um abraço de boas-vindas,
Ilusão doce, venenosa,
Diluindo-se como tinta.

Uma saudação tempestuosa,
Era isso o que me esperava,
Dores remanescentes do que outrora
Esmagara um coração que chorava.



Jejels, 30/07/2011.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

A rosa azul

Fantasiosa e inocente,
Dormes em teu leito sereno
Envolta em teu inconsciente,
Teu mais precioso veneno.

Deixas o mundo para trás,
Mergulhas em teu âmago
Seja no futuro ou há mil anos atrás,
Na escuridão ou no clarão de um relâmpago.

Sepultas a realidade
Sem jamais pranteá-la,
Crias um mundo sem maldade
Onde qualquer dor se cala.

Ilude-te sentindo amores,
Acreditando no impossível,
Inventando cores,
Pintando flores
De maneira surreal,
Porém, artificial.

Ingênua e fantasiosa,
Sentas na relva fresca
Pronta para a ação dantesca
De, com os olhos,
Pintar de azul a rosa.




Jejels, 11/07/2011.

domingo, 24 de julho de 2011

Chuva



Lágrimas celestes
Choram as nuvens
De leste a oeste
Tristes porque partistes
Molhando as plantas
E também as sementes
Que em meu coração plantas
Todos os dias alegre e contente.


O Sol sorri
Observando os pingos dançando
Fazendo-os explodir
Em sete cores se propagando
Surge no céu mais uma beleza
Enfeitando tua manhã
Com toda a natureza
Doce como marzipã.


As mágoas do céu
Lavam as flores
Que descansavam ao léu
Com as fadas e suas flores
Então se alegram com tuas lembranças
Recordando amores
E sonhos de criança
Todos doces em seus sabores.


Cantam todos os pássaros
Enquanto o vento sopra suave
Alegrando os lírios
E as abelhas com seus favos
Para te trazer inspiração
Enquanto tocas tua lira
Com as notas do teu coração
Compondo a mais bela melodia.





Jejels, 05/10/2007.

Na praia

Tenho os pés na areia,
Os olhos cheios de sol e mar,
Mas isso só me faz pensar
Se por algum detalhe, me esqueceu
Ou se sente pulsando no peito
A mesma saudade que eu.



Jejels, 20/07/2011.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Efêmero

Nossos olhos vermelhos
Espelham o cansaço do corpo
Sustentado apenas por um sopro
Do que outrora se via no espelho.

Olhos sonolentos
Transbordando o sono,
Envenenados do contentamento,
Mirando o chão como folhas do outono.

Estamos no limite,
Tragados pelo trabalho,
O corpo não mais emite
Um sinal que não esteja falho.

Ah, sofrimento.
Podias ir-te com o vento,
Mas insistes em ver-me vencida,
Insistes em adiar tua partida.

Ah, sofrimento.
Se fosse por ti só,
Desistiria de meu intento,
Transformar-te-ia em pó.

Mas ainda nos resta um guerreiro,
No murmúrio, um último timbre
Que diga que desistir é para sempre
Enquanto tu és passageiro.



Jejels, 11/07/2011.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Carrossel




Não brilha mais
O sol no céu?
Não me sinto em paz
Quando embarco nesse carrossel?

Você me toma pelas mãos,
Toma-me uma tranquila sensação
De estar segura,
De ter findado a tortura.

Gira mundo,
Mundo gira,
Planeta rotundo
De ilusão e mentira.

Estou ao seu lado,
Apenas vultos nos circundam
Para que então se difundam
Em um mero vislumbre desfocado.

Gira mundo,
Mundo gira...
Minha cabeça delira,
Pois no fundo,
Somos nós que giramos.





Jejels, 12/07/2011.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Till there was you


There were bells on a hill
But I never heard them ringing
No I never heard them at all
'Til there was you

There were birds in the sky
But I never saw them winging
No I never saw them at all
'Til there was you
Then there was music and wonderful roses
They tell me in sweet fragrant meadows of dawn and you

There was love all around
But I never heard it singing
No I never heard it at all
'Til there was you
Then there was music and wonderful roses
They tell me in sweet fragrant meadows of dawn and you

There was love all around
But I never heard it singing
No I never heard it at all
'Til there was you
'Til there was you.



The Beatles.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

O que quero

O que quero?
Que quero eu?
Um sorvete, por favor,
Você me prometeu.

O que quero?
Que quero eu?
Ter coragem para proferir
O que meu coração me respondeu.

O que quero?
Que quero eu?
Fechar os olhos agora
E ganhar um beijo seu.





Jejels, 13/07/2011.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Borboleta negra

Tão tênue borboleta,
Frágil pedaço de minha alma,
Antes, anil, amarela, violeta,
Agora tão escura
Trancafiada em uma gaveta.

Não há luz,
Não há ar,
Apenas a cruz
Que tens de sustentar.

Não contente o mundo
Em furar-te as asas
E machucar-te as antenas,
Ao galão, atirou-te no fundo
E acendeu a centelha.

Asas negras exibes agora,
No escuro, tão só,
Sem esperança de melhora,
Asas reduzidas a pó.



Jejels, 11/07/2011

Brisa temperada

O vento soprava tranquilo,
Diferente de meu descompasso,
Meu coração encardido,
Meu mundo entrando em colapso.

Forma-se uma montanha
De tudo o que tem caído sobre mim,
O peso que atropela e arranha,
Leva a esperança a um fim.

Essa brisa do inverno
Sopra calmamente em meu rosto
O que parece ser o inferno
Com brasas apimentando o gosto.




Jejels, 11/07/2011.

domingo, 10 de julho de 2011

The past knocking on my door again

It’s catching up again... i can’t run away anymore. I already stopped running.
I just want to sleep forever, I just want to find a place where I can watch the stars forever.
I can’t make it this time, I say this every time. Why did I do it, why did I have to go there?
One place please, a place where I can freeze in time for a few seconds, where I can catch my breath before I can go on.
I once froze in time.
Why did I do it?
Why did I see the beautiful sunrise, froze like a moment that would last forever.
A moment that would never let me go again. That would pursue me for the rest of my life until I’m together with it, imprisoned in this eternal love until I die…if it could let me….
What time is it?
What color is that shirt?
What’s the name of that song?
What’s the sound of water pouring out of a jar?
Yes, this will keep me safe from this lovely nightmare…



Rex.

sábado, 9 de julho de 2011

Dosed

I got dosed by you
Closer than most to you
What am I supposed to do?
Take it away I never had it anyway
Take it away and everything will be okay

In you a star is borning
You cut a perfect forming
Someone forever warm
Lay on...lay on...lay on...lay on...
Lay on...lay on...lay on...lay on...

Way upon the mountain where she died
All I ever wanted was your life
Deep inside the canyon I can't hide
All I ever wanted was your life

Show love with no remorse
Climb on to your sea horse
This ride is right on course
This is the way I wanted it to be with you
This is the way I Knew that it would be with you.

Lay on...lay on...lay on...lay on...

Way upon the mountain where she died
All I ever wanted was your life
Deep inside the canyon I can't hide
All I ever wanted was your life.





Red Hot Chili Peppers.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Última percepção antes da insanidade

Vidros cortam meu peito
Elaborando uma mistura quente
De lágrimas e sangue
A manchar meu leito.

E eu ainda acreditava
Na presença de um amigo verdadeiro,
Sua voz dizendo que me amava
Ecoava num lapso ligeiro.

Mas eram apenas ilusões,
E agora num último suspiro,
Segurando meu último sopro de ar,
No pingo de sanidade precedente ao delírio
Percebo que comigo você jamais estará.





Jejels, 08/07/2011.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Seu perfume

Aroma fluido
Dança pelo ar que respiro,
Pelo ar que dividimos,
Eu e você.

Volátil movimento
Numa música de compasso lento,
A música que desenho
Com meu pulso.

É um indescritível perfume
Que invade minha cabeça
Impregnando-me de sua presença
Que fica gravada em mim
Mesmo que você desapareça.




Jejels, 04/07/2011.

Olhos

Calmos e serenos
Ou agressivos,
Atentos...
Profundos e expressivos
Num confronto
Evasivo.


Jejels, 2009.

domingo, 3 de julho de 2011

Um trecho interessante

"As lágrimas do mundo são em quantidade constante. Para cada um que irrompe em choro, em outra parte, alguém pára. Com o riso é a mesma coisa."

BECKETT, Samuel. "Esperando Godot", pág 65.

Flores





Foto por Jejels para a 6ª edição Fotografe do Suas Palavras.

sábado, 2 de julho de 2011

Sangrando

Hoje o céu está tão bonito... cheio de estrelas! Tão lindo que poderia passar a noite em claro só para observá-lo. Mas meus olhos se fecharam, mergulhando em um aroma que conheço há três anos...
Então percebo o quanto os anos passam rápido e o quanto são capazes de provocar mudanças. E ao olhar-me no espelho, vejo alguém diferente e percebo o quanto eu tinha me esquecido de quem eu sou.
Quem sou eu? Qual é a minha essência? E por que isso dói tanto? Posso sentir o sangue escorrendo.



Jejels, 2010.

The winner takes it all




I don't wanna talk
About the things we've gone through
Though it's hurting me
Now it's history
I've played all my cards
And that's what you've done too
Nothing more to say
No more ace to play

The winner takes it all
The loser standing small
Beside the victory
That's a destiny

I was in your arms
Thinking I belonged there
I figured it made sense
Building me a fence
Building me a home
Thinking I'd be strong there
But I was a fool
Playing by the rules

The gods may throw a dice
Their minds as cold as ice
And someone way down here
Loses someone dear
The winner takes it all.
The loser has to fall
It's simple and it's plain.
Why should I complain.

But tell me does she kiss
Like I used to kiss you?
Does it feel the same
When she calls your name?
Somewhere deep inside
You must know I miss you
But what can I say?
Rules must be obeyed

The judges will decide
The likes of me abide
Spectators of the show
Always staying low
The game is on again
A lover or a friend
A big thing or a small
The winner takes it all

I don't wanna talk
If it makes you feel sad
And I understand
You've come to shake my hand
I apologize
If it makes you feel bad
Seeing me so tense
No self-confidence
But you see
The winner takes it all
The winner takes it all...

Someone dear...
Takes it all...
The loser ...
Has to fall...
Throw a dice...
As cold as ice...
Someone way down here...
Someone dear...
Takes it all...






Abba.