quarta-feira, 14 de março de 2012

A luz do teu semblante

O que seria da noite
Sem a luz do teu semblante,
Que inebria intensamente
Mesmo improvável, mesmo distante?

A luz que acende a alma,
Adentra os olhos, intensa
Qual imensa estrela D'Alva
A ofuscar milhares.

A luz que abre caminhos,
Desperta o imaginário,
Constrói redemoinhos,
Caleidoscópios, relicários.

A luz que aquece o peito,
Conforta e intriga
Tão bela luz que brilha
E mostra um mundo perfeito.

O que seria da noite
Sem a luz do teu semblante,
Que registrei em minha mente
Ao ver teus olhos brilhantes?



Jejels, 13/03/2012.

Nenhum comentário: