sexta-feira, 20 de abril de 2012

Vermelho

Olhos injetados
De noites insones.
Não há descanso nem paz,
Apenas o palpitar que não se desfaz.

Amor, amor,
O veneno que consome,
Aprisiona minhas asas.

Amor, amor,
Um mal necessário,
Vício incendiário.


Jejels, 20/04/2012.
Pauta para a 92ª edição poemas do Bloínquês.


Nenhum comentário: