quarta-feira, 16 de maio de 2012

Dezesseis de maio

Sereno dia
De cinzenta neblina
A inebriar o ar
E essa brisa fria,
Resquício da noite sombria
Que ainda reina em meu coração.


Ah, essa palidez matinal
Que decerto só me faz pensar
No balanço lânguido da nau
Que transporta teu olhar...




Jejels, 16/05/2012.

Nenhum comentário: