sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Sua camisa

Tecido branco riscado de vermelho
Como meus dias vazios
Invadidos por esse intenso amor
Que já causou tanta dor
Ao meu pequeno coração.

Mangas longas cobrindo meus braços,
Pendendo, tão grandes
Que me fazem parecer menor ainda,
Mas que protegem na noite fria
Para que eu me aqueça.

E ao vesti-la,
Sinto-me abraçada,
Sinto-me grata
Por vestir-me de você.

Mas a noite desce,
E minha última prece
Não é atendida novamente.

É preciso dizer adeus,
Mas como poderia sequer cogitar
Afastar-me dos braços seus?

E, intoxicada com seu cheiro,
Maldito cheiro,
Bendito cheiro,
Aguardo você se afastar
Enquanto as lágrimas começam a voltar.


Jejels, 17/08/2012.

2 comentários:

Lara Vic. disse...

O cheiro da pessoa amada fica tão impregnado, e ao mesmo tempo vai embora tão rápido. Num segundo a lembrança quase presente fisicamente fica enevoada. Mas o sentimento é o mesmo. Haha, será que pensei muito longe? Sempre viajo com seus poemas, mas fazia tempo que não vinha aqui, parabéns, lindo como sempre!

JeJeLs disse...

Não, você não pensou muito longe!
Fico feliz em saber que há pessoas lendo minhas postagens, obrigada pelas palavras :)