quarta-feira, 10 de outubro de 2012

(Des)vínculo

Que será de mim
Agora que só restaram lembranças?
A mente se cansa
A cada dia que passa.

Que será de mim
Agora que só restou minha presença?
A incerteza adensa
A cada passo no escuro.

Que será de mim agora?
A alma que chora
Deve seguir em frente,
Deve ser forte adiante
E esquecer o peito pulsante.

O amor não mais me pertence.



Jejels, 09/10/2012.

Nenhum comentário: