terça-feira, 30 de outubro de 2012

Ler-te

Queria ler teus olhinhos
Ou o braile do teu corpo,
Refazer com os dedos o caminho
Que me dita esse sentimento todo,
Toma por completo minha ação
E perco-me com tal fascinação
Que o mundo desaparece ao redor
Sem importância, torna-se menor
Perante o enorme amor que sinto,
Gigante a beirar o infinito.

E a esse carinho me entrego
Com as mãos transbordando afeto
A delirar de tanto prazer
Por perceber que é recíproco o meu querer.



Jejels, 28/10/2012.

Nenhum comentário: