terça-feira, 30 de outubro de 2012

Ler-te

Queria ler teus olhinhos
Ou o braile do teu corpo,
Refazer com os dedos o caminho
Que me dita esse sentimento todo,
Toma por completo minha ação
E perco-me com tal fascinação
Que o mundo desaparece ao redor
Sem importância, torna-se menor
Perante o enorme amor que sinto,
Gigante a beirar o infinito.

E a esse carinho me entrego
Com as mãos transbordando afeto
A delirar de tanto prazer
Por perceber que é recíproco o meu querer.



Jejels, 28/10/2012.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Sambinha bom


Sambinha bom
É esse que traz de volta.
Que é só tocar
Que logo você quer voltar.
Meu coração
Já cansou de tanto choro derramar
E pede "volta" pra gente dançar.
Sambinha bom
É esse que tem pouca nota
Que é só tocar
Que logo você quer cantar.
Meu coração
Já cansou de tanto choro derramar,
Implora "volta" pra gente sambar.
Eu, eu quero ficar com você.
Eu, eu quero grudar em você.
Eu, eu quero me bordar em você.
Quero virar sua pele,
Quero fazer uma capa,
Quero tirar sua roupa.
Sambinha bom
É esse que te traz de volta.
Que é só cantar
Que logo você quer voltar.
Meu coração
Já cansou de tanto charme derramar
E pede "volta" pra gente sambar.
Eu, eu quero ficar com você.
Eu, eu quero grudar em você.
Eu, eu quero me bordar em você.
Quero virar sua pele,
Quero fazer uma capa,
Quero tirar sua roupa.



Malu Magalhães.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Soneto da minha paixão

A lua vai se despedindo
Apagando as estrelas aos poucos
Enquanto um desejo rouco
Continua forte, infindo.

É uma paixão crescente
Que dificulta a despedida,
Traz a mim a fadiga
E, às vezes, o ápice latente.

É um desejo de me prender
Para que você não vá embora
Mesmo que seja a hora.

É um desejo de me perder
Só para você me encontrar
E por mais um dia, poder te amar.


Jejels, 23/10/2012.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Soneto à janela da sala

Uma noite de angústias,
A lua tão lúcida
Em contraste com meus sentimentos.

E tão mal cambaleava
Chegando até a sala,
Onde me esperava o sofá.

Solidão que me abraçava
E a noite que ventava,
Pela janela onde pude ver
A chuva a me acolher como a um bebê.

E assim permaneci em minha penumbra
Esperando que a noite me devorasse,
Fazendo entre nós um único enlace
A culminar com minha sepultura.


Jejels, 15/10/2012.

domingo, 14 de outubro de 2012

My heart is broken



I will wander till the end of time
Torn away from you

I pulled away to face the pain
I close my eyes and drift away
Over the fear, that I will never find
A way to heal my soul
And I will endure till the end of time
Torn Away from you

My heart is broken
Sweet sleep my dark angel
Deliver-us from Sorrow’s hold
Or from my hard heart

I can’t go on living this way
But I can’t go back the way I came
Chained of this fear,
That I will never find
A way to heal my soul
And I will wander till the end of time
Half alive without you

My heart is broken
Sweet sleep my dark angel
Deliver-us
Change
Open your eyes to the light
I denied from so long, oh so long
Say goodbye, goodbye

My heart is broken
Release me, I can’t hold on
Deliver-us
My heart is Broken
Sweet sleep my dark angel
Deliver-us
My heart is Broken
Sweet sleep my dark angel
Deliver-us
From sorrow’s hold.



Evanescence.

sábado, 13 de outubro de 2012

Noite mística

Talvez o ar místico da noite
Não seja tão assustador,
No fundo, guarde apenas lembranças de amor,
Algum sentimento que quer florescer,
Alguém que não se deixa esquecer.

Talvez o ar místico da noite
Traga seu perfume no ar
Para que com você eu possa sonhar
Em universo paralelo esse
Em que possa ser real o que eu deseje.

E talvez o ar místico da noite
Queira apenas me lembrar
Dos momentos felizes que com você pude ter
Quando por ventura, não puder te encontrar.
E, na sua presença, um reencontro,
De lábios e suspiros seja o confronto
Entre você e eu numa dança a dois
- e que nessa dança possamos ser um,
Deixando todo o resto para depois.



Jejels, 13/10/2012.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Laboratório

Seria como num sonho
Se tudo pudesse se resumir a isso
- nós dois,
Notável afeto,
Um perfeito dialeto
De gestos e murmúrios,
Boca que morde e brinca
Com essa nossa química.

Jejels, 11/10/2012.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Das vantagens de ser bobo

"O bobo, por não se ocupar com ambições, tem tempo para ver, ouvir e tocar o mundo. O bobo é capaz de ficar sentado quase sem se mexer por duas horas. Se perguntado por que não faz alguma coisa, responde: “Estou fazendo. Estou pensando.” Ser bobo às vezes oferece um mundo de saída porque os espertos só se lembram de sair por meio da esperteza, e o bobo tem originalidade, espontaneamente lhe vem a idéia.
O bobo tem oportunidade de ver coisas que os espertos não vêem. Os espertos estão sempre tão atentos às espertezas alheias que se descontraem diante dos bobos, e estes os vêem como simples pessoas humanas. O bobo ganha utilidade e sabedoria para viver. O bobo nunca parece ter tido vez. No entanto, muitas vezes, o bobo é um Dostoievski.
Há desvantagem, obviamente. Uma boba, por exemplo, confiou na palavra de um desconhecido para a compra de um ar refrigerado de segunda mão: ele disse que o aparelho era novo, praticamente sem uso porque se mudara para a Gávea onde é fresco. Vai a boba e compra o aparelho sem vê-lo sequer. Resultado: não funciona. Chamado um técnico, a opinião deste era de que o aparelho estava tão estragado que o conserto seria caríssimo: mais valia comprar outro. Mas, em contrapartida, a vantagem de ser bobo é ter boa-fé, não desconfiar, e portanto estar tranqüilo. Enquanto o esperto não dorme à noite com medo de ser ludibriado. O esperto vence com úlcera no estômago. O bobo não percebe que venceu.
Aviso: não confundir bobos com burros. Desvantagem: pode receber uma punhalada de quem menos espera. É uma das tristezas que o bobo não prevê. César terminou dizendo a célebre frase: “Até tu, Brutus?” Bobo não reclama. Em compensação, como exclama!
Os bobos, com todas as suas palhaçadas, devem estar todos no céu. Se Cristo tivesse sido esperto não teria morrido na cruz. O bobo é sempre tão simpático que há espertos que se fazem passar por bobos. Ser bobo é uma criatividade e, como toda criação, é difícil. Por isso é que os espertos não conseguem passar por bobos. Os espertos ganham dos outros. Em compensação os bobos ganham a vida. Bem-aventurados os bobos porque sabem sem que ninguém desconfie. Aliás não se importam que saibam que eles sabem.
Há lugares que facilitam mais as pessoas serem bobas (não confundir bobo com burro, com tolo, com fútil). Minas Gerais, por exemplo, facilita ser bobo. Ah, quantos perdem por não nascer em Minas! Bobo é Chagall, que põe vaca no espaço, voando por cima das casas. É quase impossível evitar excesso de amor que o bobo provoca. É que só o bobo é capaz de excesso de amor. E só o amor faz o bobo."

Clarice Lispector

Gato que brincas na rua


Gato que brincas na rua, 
Como se fosse na cama, 
Invejo a sorte que é tua 
Porque nem sorte se chama. 
Bom servo das leis fatais, 
Que regem pedras e gentes, 
Que tens instintos gerais 
E sentes só o que sentes. 
És feliz porque és assim. 
Todo nada que és é teu. 
Eu vejo-me e estou sem mim 
Conheço-me e não sou eu.


Fernando Pessoa, 1931

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

(Des)vínculo

Que será de mim
Agora que só restaram lembranças?
A mente se cansa
A cada dia que passa.

Que será de mim
Agora que só restou minha presença?
A incerteza adensa
A cada passo no escuro.

Que será de mim agora?
A alma que chora
Deve seguir em frente,
Deve ser forte adiante
E esquecer o peito pulsante.

O amor não mais me pertence.



Jejels, 09/10/2012.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Variação

Com o frescor da mudança,
Arriscando o que não conheço,
Tento virar do avesso,
Preencher-me de esperança.

Talvez haja um lugar para mim
Diferente de onde vim,
Onde o frescor de uma nova estação
Instale-se enfim em meu coração.


Jejels, 09/10/2012.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

domingo, 7 de outubro de 2012

Um pouco de Clarice

"Brasília ainda não tem o homem de Brasília. – Se eu dissesse que Brasília é bonita, veriam imediatamente que gostei da cidade. Mas se digo que Brasília é a imagem de minha insônia, vêem nisso uma acusação; mas a minha insônia não é bonita nem feia – minha insônia sou eu, é vivida, é o meu espanto. Os dois arquitetos não pensaram em construir beleza, seria fácil; eles ergueram o espanto deles, e deixaram o espanto inexplicado. A criação não é uma compreensão, é um novo mistério."
 
Clarice Lispector

Teu espaço

Talvez seja para ser assim,
Talvez eu não tenha como fazer feliz.
Mesmo que eu tente,
Não se compreende
E não me contento,
Não encontro alento.

E em sentimentos, vou me afogando,
Apenas um corpo brando
A desistir de resistir;
Uma voz calejada,
Poesia recalcada,
Que escrevi em pensamento,
Mas que trouxe apenas tormento.

E se assim entro em colapso,
Sou apenas uma alma sem nexo,
Um coração perdido
Obcedado por um pedido.

Talvez mereça apenas a solidão
Por me deixar levar pela emoção,
E tão somente conseguir descansar
Com tua presença a me acariciar.

E se assim, sufoco-te,
Privar-me-ei do teu abraço.
Se é o que queres,
Eis aqui teu espaço.


Jejels, 07/10/2012.

Descontinuidade

Tarde,
Sol,
Calor,
Expectativa.

Metade,
Brisa,
Hesitação,
Tentativa.

Chegada,
Desamparo,
Desilusão,
Descompasso.


Jejels, 07/10/2012.