quarta-feira, 24 de abril de 2013

Labiríntica

Emaranhado de veias
- ou seria de sentimentos?
Movimento que incendeia,
A oscilação entre tristeza e alegria.

E as estrelas que vejo
Ora distantes, ora companheiras,
São beijo que confunde,
Mão que alimenta e pune.

Não há como ter certeza
Do que é ou não real.
Um fractal de surpresas
Traz sempre nova contradição.

E são diversos os caminhos,
Vizinhos a pensamentos complexos.
Não consigo decidir qual seguir,
Cada possibilidade pode ser um paralelo.

Além disso, não carrego chaves
Nem a coragem de abrir portas fechadas
E há poucos percursos livres,
Sem desníveis e não obscuros.

Dentro de mim, há um labirinto
Que sinto ser indecifrável.
Quanto mais busco conhecê-lo,
Indomável e rebelde, novamente me perco.



Jejels, 24/04/2013.

Nenhum comentário: