domingo, 29 de dezembro de 2013

Entre quatro paredes

Foi numa tarde quente
Que esmaece aos poucos,
Rende-se lentamente.

Foi entre o mormaço da tarde
E a sinfonia de cigarras
Que surgiu minha estrela D'Alva.

Era o sonho que se materializava
Diante da porta encostada
Que selava nosso nó,
Corpos molhados de suor.

E a respiração entrecortada,
De suspiros e carinhos nossos
Que faziam o mundo virar nada
Enquanto a luz do sol apagava.

De sinceros sussurros e juras de amor
Foi feita nossa aliança
Depois de toda a dor.

Pois se o sentimento era tão forte,
Moveria montanhas e enganaria a morte
Para estar ao seu lado.

E depois de alguns desentendidos,
De aparentes conflitos,
No fim, éramos um em comunhão.

E de felicidade que transborda
Foram minhas lágrimas salgadas
Ao perceber que há mais que memória
Em minha mente cansada.

Tal epifania seguiu crescente
E já à noite, chuva, estrela cadente
Realizou meu sonho na penumbra.

Nos olhos castanhos adocicados de paixão,
Encontrei meu próprio coração,
O amor verdadeiro, uma dádiva,
Meu anjo da guarda.



Jejels, 25/10/2012.

Um comentário:

Desouza disse...

Belas e romanticas palavras...
Continue escrevendo, e dando magia a este mundo.
Gostei do Blog...

www.prsantosmissao.blogspot.com

Sera um prazer te-la por la me ajudando...