domingo, 29 de dezembro de 2013

Entre quatro paredes

Foi numa tarde quente
Que esmaece aos poucos,
Rende-se lentamente.

Foi entre o mormaço da tarde
E a sinfonia de cigarras
Que surgiu minha estrela D'Alva.

Era o sonho que se materializava
Diante da porta encostada
Que selava nosso nó,
Corpos molhados de suor.

E a respiração entrecortada,
De suspiros e carinhos nossos
Que faziam o mundo virar nada
Enquanto a luz do sol apagava.

De sinceros sussurros e juras de amor
Foi feita nossa aliança
Depois de toda a dor.

Pois se o sentimento era tão forte,
Moveria montanhas e enganaria a morte
Para estar ao seu lado.

E depois de alguns desentendidos,
De aparentes conflitos,
No fim, éramos um em comunhão.

E de felicidade que transborda
Foram minhas lágrimas salgadas
Ao perceber que há mais que memória
Em minha mente cansada.

Tal epifania seguiu crescente
E já à noite, chuva, estrela cadente
Realizou meu sonho na penumbra.

Nos olhos castanhos adocicados de paixão,
Encontrei meu próprio coração,
O amor verdadeiro, uma dádiva,
Meu anjo da guarda.



Jejels, 25/10/2012.

domingo, 8 de dezembro de 2013

La prima vez



La prima vez que te vidi
de tus ojos me enamori.
De aquel momento te ami,
Fina la tomba te amare.

Acercate me querida,
salvadora de me vida.
Descubrite y hablame
secretos de la tu vida.



Owain Phyfe.