quarta-feira, 8 de abril de 2015

O guardião

Nova alegria das manhãs
É encontrar o guardião,
Desafogar-me do afã
Que me cobre a mente e o coração.

Os olhos claros e atentos
Guardam histórias e aventuras,
Despertam-me sentimentos
Revestidos em doçura.

E os cachos que lhe emolduram a face
Guardam o aspecto vampiresco,
E chama-me a atenção o enlace
Dos fios em arabescos.

Talvez os dentes guardem segredos
Que a língua não possa revelar,
Mas isso apenas aumenta o enredo
Dos mistérios que gosto de imaginar.

Mas do que gosto mesmo
É do que guardam os braços
Quando juntam-se em laço,
Envolvendo-me num terno abraço.


Jejels, 07/04/2015.

Nenhum comentário: