segunda-feira, 20 de abril de 2015

Queimando

Fogo, energia que começa pequena...uma faísca que se espalha aos poucos. No início, o calor prazeroso. Espalha-se de repente, toma conta, consome, ardente, todas as partes do corpo. E quando não há mais combustível, quando tudo já foi consumido, torno-me o próprio fogo e espalho meu ímpeto - queimo, rodopio, incendeio tudo ao meu redor. Queimar, virar pó. Queimar, virar pó. Sem piedade, sem clemência, sem paciência, sem pudor. A urgência do calor. O combustível, a condução, a depredação... espalhando-se impulsivo, por todo o corpo, dentro e fora dele, por todo o espaço ao redor... fogo egoísta, individualista. Consome, imperialista.


Jejels, 18/04/2015.

Nenhum comentário: