sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Do pressentimento

Em uma tarde quente,
Diferente brisa refrescava
Enquanto descansava na grama
Olhar contente.

E a profecia fora ditada,
Virada sorte em forma de cílio;
Um brilho acendera no coração,
Nos olhos queimou a paixão.

Já não era sonho, afinal,
Recompensa de anos a fio,
Felicidade sem igual
-tudo isso em um pequeno cílio
Que teu dedo deixou ao meu.


Jejels, 18/10/2015.

Nenhum comentário: