quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Fantasia de uma noite chuvosa

Na penumbra do quarto desconhecido,
Coloridos papéis descansavam sobre a cama
- Panorama misterioso em minha mente contido.
 
Sentado à beira do leito,
Com o peito nu e aberto, alvo menino
Com divino feitio constrói com o papel
Um pássaro perfeito.
 
Tsuru para boa sorte
- para que da morte possa escapar;
Um papagaio em seguida
Para que repetidas vezes a verdade possa falar.
 
E numa andorinha, a luz de seus olhos
Em pequenina ave deposita com carinho
Como ninho de afeição morno e sólido.
 
Mas um sorriso lhe cobre a face
Quando nasce do papel gracioso colibri
Que em frenesi e velocidade, asas e coração bate
E rebate em alegria que o faz rir.

Tinha o menino, nas mãos, pássaros em arranjo.
Seus longos cabelos à brisa; nos olhos, o sol guardado.
Menino alado... um anjo a dobrar pássaros.

Jejels, 21/11/2015.

Nenhum comentário: