quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Mudança

Teu olhar como um poço escuro
Onde caem as palavras e não ouço o barulho.
- profundo.

É uma conjunção de anéis concêntricos
Orbitando ao redor de tua pupila aguçada
Qual poeira cósmica estrelada
Ao redor de Saturno.

É uma aquarela hipnótica,
Expressiva janela gótica,
Vitrais da catedral.

É a ordem que me mantém em órbita,
Afirmação mística e exótica
A estimular os instintos.

É a essência da plenitude,
A serenidade amiúde,
Um sonho de felicidade.

E com tudo isso, esvai-se pronto
Estabelecendo interno confronto
De minha alma em abstinência...
Crescente demência,
Latente...
Absorto...



Jejels, setembro 2015.

Nenhum comentário: