sábado, 17 de setembro de 2016

Hasta Luego

A distância começa a se aproximar
Não de forma paradoxal,
Mas temporalmente,
Assim de repente
Percebo que logo diremos adeus
Num até logo que não será mais breve
Nem leve.
Mas leve contigo
Esse meu sorriso.
A lembrança do que foi vivido...
Todo sentido que demos
Aos dias de domingo
E também às segundas de riso
Que quiseram ser livres,
Mas sempre encontravam um motivo ou outro
Para serem ocupadas demais.
Leve esse brilho
Nos teus olhos de sol,
Meu coração partido
Juntará seus pedaços ao si bemol
Dos acordes da minha saudade.
Que acorde em mim a jovialidade
Dos teus cachos ao vento
Revendo memórias num ritmo lento
Que é pra ver se engana o tempo
A passar mais depressa.
Leve este calor
Da tua pele com mania de vermelhidão
Que o inverno logo chegará em meu coração
E vou pensar em seu suéter de amor.
Mas de todas as coisas
Coisadas, declaradas e palhaçadas,
Leva este pedaço de mim
Nesses versos escritos da madrugada
Numa discreta loucura pranteada
Da ansiedade do que ainda não chegou.
Leva este coração que te amou
E que te seguirá amando
Pelos dias escuros através do oceano
Sonhando com o dia de te reencontrar
Na saudade que vai me sufocar
Nos quilômetros que vão aumentar
No tempo que vai se arrastar...
Mas prometo, amor
Minha paixão,
Mesmo na dor
Quando me sentir sem chão
Fecharei os olhos a cantarolar
A mesma canção que estiveres a escutar
E de alguma maneira, estaremos juntos
Embaixo do mesmo céu azul
Mesmo separados no mundo,
Estaremos juntos na JeLu.


Jejels, 13/06/2016.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Euforia

Quando a alegria é tanta,
Faz festa, expande, dança
Na rua, na lua, na tua boca
Com essa vontade louca,
Entusiasmo de criança.

Quando a felicidade transborda,
Nos eleva, nos transporta
Da grama à cama, às nuvens,
Aos belos olhos que tu tens,
Teu sorriso, divina porta.

Quando o júbilo é gigante,
Faz cócegas, instiga, penetrante
No pulmão, no coração, na alma
Contrapõe a rotina calma,
Explode em beijo contagiante. 


Jejels, 15/05/2016.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Como uma canção

Amo você
Assim de repente,
Num insolente ato de entregar meu coração.
Numa caótica, mas melodiosa canção
Que transborda o que sente...
Como apenas o amor pode fazer.


Jejels, 23/06/2016.

Nuvem




Nuvem
é você
Que não
Posso tocar

Nuvem
É você
Que me faz sombra
E às vezes chora
Sem querer

Tão lá no alto
Mesmo se salto
Não alcanço

Nuvem
É você
Por mais
Que eu almeje
Te tocar

Só faço um sonho
Que evapora ao despertar.



Rubel.

domingo, 4 de setembro de 2016

Planos desconstruídos

As horas passam lentas,
Atentas a cada frustração
E a cada imprevisto em somação,
Uma montanha de desilusão.

E após reviravoltas,
Ápices emocionais em revolta,
Retorno à estaca zero:
Ansiedades por saber o que quero
Frente ao abismo que separa
Querer e poder...

E mais uma vez,  enlouquecer.


Jejels, 20/05/2015.